Super Dicas para Você - Selecione o Artigo de seu Interesse:

Direitos e deveres de quem trabalha na casa de outras pessoas

Contratar uma Doméstica ou Diarista, o que compensa mais?

Como manter sua empregada

Veja como registrar a sua empregada doméstica

10 dicas para passar roupas sem dificuldade

Os dez mandamentos do amor ao idoso

Complemente seu conhecimento doméstico nestes sites

Creche ou babá em casa?

Quando a babá não é opção

Questionário base para as Babás

Treinamento de Babá

Os Segredos do Futuro Pai

Dicas para contratar a melhor babá

Que documentos devem ser apresentados pelo empregado doméstico no ato da admissão?

O que significa culpa recíproca?

O que significa rescisão indireta?

O que é justa causa?

O que fazer quando o empregado doméstico se nega a assinar o recibo de rescisão?

Quando o empregado doméstico abandona o emprego o que devemos fazer?

Diarista na minha casa

Roteiro de entrevista para o profissional

A boa apresentação da Empregada Doméstica

Cuidados com o idoso - prevenção de acidentes domésticos

Inscrição do trabalhador na Previdência Social

Como limpar vidros e janelas

Dicas para diminuir as despesas domésticas

INSS - Tabela vigente para empregados domésticos

Como gerenciar sua empregada doméstica?

Aumenta a idade média das trabalhadoras domésticas

Empregada doméstica dá lugar a diarista no Brasil, aponta estudo

Resumo de funções domésticas

Como treinar sua empregada doméstica

Câmara aprova revisão da aposentadoria e pensão sem limite de prazo

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Diarista

Empregada Doméstica x Diarista

Porteiro - Dicas de postura e comportamento do Porteiro eficiente

Dicas de uma cuidadora de idosos com Alzheimer

Cuidador de Idosos - Algumas dicas

Guia de boas maneiras para babás

Dicas para as babás se acostumarem com os bebês

Precisando contratar uma babá?

O que fazer antes de contratar uma diarista?

A missão de uma empregada doméstica

7 dicas para motivar sua empregada doméstica

Vale-Transporte

Empregado Doméstico

Licença-maternidade

A empregada doméstica deve folgar sempre aos domingos?

Prevenção de acidentes domésticos

O relacionamento com os empregados domésticos

Período de adaptação da doméstica

Contrato de experiência e direitos dos empregados domésticos

 

 

 

 

 

 

 

Direitos e deveres de quem trabalha na casa de outras pessoas

 

 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

 

 

 

Contratar uma Doméstica ou Diarista, o que compensa mais?

 

 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

 

 

 

Como Manter sua Empregada:

 

“Dicas para manter o seu profissional doméstico”

 

1-Diálogo: Lembre-se que é necessário o entendimento entre as partes.

2-Adaptação: Todo profissional necessita de tempo para se adaptar, o doméstico também.

3-Salário: Profissional satisfeito, tarefas bem executadas.

4-Cronograma: É importante uma rotina de trabalho pré-definida (diária/semanal).

5-Folgas: O descanso semanal é parte importante na relação empregador/empregado.

6-Relação: A intimidade deve estar bem clara entre as partes, para não ultrapassar seus limites.

7-Reconhecimento: Todo profissional gosta de saber que seu trabalho está sendo reconhecido.

8-Motivação: Não só por aumento de salário, mas também um sorriso e o respeito ao ser humano. 

9-Investimento: Um curso é sempre bem vindo para manter a qualidade e aprender novas técnicas.

 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

 

 

Veja como registrar a sua empregada doméstica:

O trabalho de empregada doméstica é regido por leis e decisões judiciais próprias que, por vezes, confundem empregada e empregador. O site do Ministério do Trabalho tem uma área onde tira as principais dúvidas sobre essa relação de trabalho. Na página você encontra desde como preencher a carteira profissional, até valores relativos à contribuição previdenciária.

Para quem serve?

As informações do Ministério do Trabalho são úteis tanto para empregadas domésticas, como para os empregadores.

Passo a passo

Selecione no menu do lado esquerdo o tópico que você quer abordar. Em “Direitos e Deveres” você pode ler quais são as obrigações e direitos do empregador e do empregado. Em “Descontos” o Ministério lista em quais ocasiões podem ser feitos descontos no salário, como, por exemplo, em caso de faltas não justificadas. Em “Contribuição Previdenciária” é possível ver os valores atualizados referentes à contribuição mensal. O site ainda traz “Situações Específicas”, como quando o empregado é um caseiro, diarista, menor de 18 anos. A área “Informações Importantes” traz detalhes sobre assédio sexual e condições mínimas de segurança. Existem ainda detalhes sobre a legislação trabalhista, modelos de documentos e cartilhas.

ACESSAR O SITE DO MINISTÉRIO DO TRABALHO

Voltar ao Topo

 

 

 

 
 
 
10 dicas para passar roupas sem dificuldade:
 
Ninguém gosta de fazer os serviços domésticos e infelizmente não podemos fugir deles. Passar roupa entra no top da chatice e dor nas costas, nunca parece estar passada direito e muitas vezes só lembramos de passar na hora que estamos atrasados ou morrendo de sono.
 
Como não sou daquelas que recolhe a roupa e passa, sempre está tudo lá no guarda-roupa amassado e só passo quando preciso, e é claro que isso dificulta um pouco o processo.
 
Por isso peguei alguns truques que podem ajudar nessa árdua tarefa.
 
1 -Tudo começa na hora de lavar a roupa, se colocar muitas roupas na máquina elas vão ficar torcidas, coloque a quantidade indicada sempre.
 
2 - Na hora de pendurar as roupas e se você tiver espaço, uma ótima dica é colocar as camisetas e camisas em cabides, assim elas não vão deformar, e além de secar + rápido vão ficar menos amassadas.
 
3 - Vocês se lembram da sacudida que a vovó sempre dá nas roupas antes de colocá-las no varal ? Pois é, isso não é besteira de vó não! É a voz da experiência a “socudida” ajuda a tirar boa parte do amassado de suas roupas.
 
4 - Ao recolher as roupas, dobre logo que recolher e separe as que necessitam ser passadas e as que já podem ser guardadas, assim fica mais fácil na hora de passar.
 
5 - Se você tirar as roupas do varal logo que elas secaram, na hora de passar vai ficar bem mais fácil! E se puder e tiver uma rotina de passar roupas (tipo todo domingo), tire a roupa ainda ligeiramente úmida (não pode ser molhada). Isso vai facilitar e ainda economizar energia, pois a roupa vai passar mais rápido.
 
6 - Outra forma de economizar energia, caso você não tenha aquelas mantas de passar roupa, é colocar um pedaço de papel alumínio e sobre ele o pano que irá utilizar para passar. O papel alumínio vai ajudar a manter a temperatura e você não vai precisar ficar virando a roupa.
 
7 - Mas se você faz como eu, que nunca passo a roupa na hora que recolhe, utilize um borrifador com água e um pouco de amaciante. Basta dar uma “borrifadinha” nas roupas e passar (a dica é antiga mas sempre ajuda).
 
8 - Se você estiver em uma viagem, a dica é pendurar a roupa em um cabide e na hora de tomar banho deixe ela no banheiro pendurada. O vapor do chuveiro vai desamassar bem sua roupa.
 
9 - Para roupas difíceis de passar, borrife um pouco de água na roupa seca, enrole e coloque em um saquinho bem fechado e deixe a roupa na geladeira (não no freezer), por pelo menos 1 hora, na hora de passar acredite vai ficar bem mais fácil.
 
10 - A camisa social é a peça considerada mais complicada de ser passada. A ordem correta para passar a camisa e deixá-la impecável, é começar deixando o colarinho reto, sem dobrar. Em seguida passe os punhos, mangas, parte frontal. Passe por último a parte das costas, finalize dobrando o colarinho e pendure a camisa imediatamente no cabide.
 
Coloque sua banda preferida no som e mãos a obra! Porque não tem como você dar a velha desculpa de não saber passar roupas.
 
Arregace as mangas e boa sorte.
 
http://receitasdeminuto.com

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Os dez mandamentos do amor ao idoso

 
I – Deixa-o falar - Porque do passado ele tem muito a contar. Coisas verdadeiras e outras nem tanto, mas todas úteis aos espíritos ainda em formação.
 
II – Deixa-o vencer nas discussões - E não fiques a lembrar a todo instante que suas idéias estão superadas. Ele precisa sentir-se seguro de si mesmo.
 
III – Deixa-o visitar seus velhos amigos - entreter-se com seus camaradas, porque é dessa maneira que ele consegue reviver os tempos idos.
 
IV – Deixa-o contar histórias demoradas - ou, muitas vezes, repetidas, porque ele precisa provar a si mesmo que os outros gostam de sua companhia.
 
V – Deixa-o viver entre as coisas que amou - e que sempre recorda, porque ele já sofre ao sentir que, aos poucos, vai sendo abandonado pela vida.
 
VI – Deixa-o reclamar, mesmo quando está sem razão –  porque todo ancião, tem direito, como as crianças, à tolerância e à compreensão.
 
VII – Deixa-o viajar em teu carro –  quando saíres de férias ou nos fins de semana, porque sentirás remorso, se algum tempo depois ele já não estiver aqui para fazer-lhe companhia.
 
VIII – Deixa-o envelhecer com o mesmo paciente afeto - com que assistes aos teus filhos crescerem, porque em ambos os casos estarás,  demonstrando o mesmo sentimento de amor e proteção.
 
IX – Deixa-o rezar onde e como queira – porque ele deseja ver sempre a sombra de Deus no resto de estrada que ainda vai percorrer.
 
X – Deixa-o morrer – entre braços poderosos e amigos, porque o amor dos irmãos é o melhor sinal do amor do Pai que está no céu.
 
Nota: “Os dez mandamentos do amor ao idoso” foram redigidos na Itália, por um frade carmelita. A tradução para o português foi feita por um confrade da mesma ordem, residente em Teresópolis, RJ. O texto acima foi revisto por um poeta pernambucano que não quis se identificar. São dele alguns acréscimos ao texto original.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Complemente seu conhecimento domestico nestes sites:

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Creche ou babá em casa?

A decisão sobre quem cuidará do bebê enquanto você estiver no trabalho não é fácil. É algo que você precisa pensar muito bem e tomar bastante tempo para poder avaliar qual é a melhor opção para você e o bebê. Tanto a creche quanto a babá em casa tem vantagens e desvantagens, e definir o que é conveniente vai depender muito do seu estilo, dos seus medos, da sua segurança e também das possibilidades econômicas.

 
É bom que você procure uma pessoa carinhosa, que o alimente bem e que lhe proporcione todos os cuidados necessários com responsabilidade. Desta forma, além de você ficar mais tranqüila, também ajudará o bebê a se adaptar bem e mais rapidamente a ficar com ela enquanto você não está.
 
É claro que ninguém poderá substitui-la, mas se não há outro jeito a não ser voltar ao trabalho, não sofra. Com certeza você vai achar a melhor maneira para que alguém cuide da criança enquanto você não está. O importante é que quando você voltar do trabalho, possa dar muita atenção ao bebê. Você vai ver que ele vai valorizar muito a qualidade do tempo que passa com você.
 
A seguir, apresentamos algumas perguntas que você pode responder para descobrir vantagens ou inconvenientes de qualquer uma das opções:
 
1 – Você prefere que o bebê esteja com outras crianças e sob o cuidado de pessoas experientes e formadas especialmente para cuidar dele ou você prefere que o seu bebê fique em casa, com seus brinquedos e suas coisas porque assim estará mais protegido e seguro?
 
2- Quantas horas por dia é necessário deixar o bebê ao cuidado de outras pessoas?
 
3- Qual das opções é menos custosa em termos de dinheiro?
 
4- Há creches perto do seu trabalho ou da sua casa?
 
Vantagens de contratar uma babá
 
- O seu bebê estará com suas coisas, poderá descansar tranqüilo em seu berço com seus lençóis ou em seu carrinho.
 
- Se estiver em casa, será mais fácil respeitar suas rotinas de dormir e refeições.
 
- Nos dias de frio, calor ou chuva, não será necessário expô-lo ao clima.
 
- Você poderá controlar tudo o que acontece com o bebê: o que come, a que horas dorme, com que brinca, etc.
 
- O seu bebê estará menos exposto a resfriados, gripes e outras doenças ocasionadas pelo contato com outras crianças.
 
-A babá estará disponível nos horários mais convenientes para você. Se você tiver essa possibilidade, inclusive você poderá fazer com que durma em sua casa.
 
Desvantagens
 
- É difícil encontrar uma boa babá. Em geral são moças muito jovens a quem você tem que ensinar muito e poucos meses depois descobrem que o trabalho não é para elas. A rotatividade é uma constante em muitos casos.
 
- Normalmente é mais caro que uma creche. É atendimento personalizado e em geral, também se ocupam da limpeza da casa.
 
- Você terá que se acostumar a que haja uma pessoa alheia à família dentro da sua casa.
 
- Terá que ter ma estratégia caso a babá falte.
 
- É complicado ter certeza absoluta que seu filho está sendo cuidado e alimentado da forma correta.
 
Vantagens de mandar o bebê a uma creche
 
- Os horários amplos permitem ir ao trabalho tranqüila.
 
- As crianças tem acompanhamento pedagógico e nutricional.
 
- São pessoas treinadas e com experiencia.
 
- A criança é estimulada pedagogicamente, ou seja, aprende muitas coisas novas e educativas.
 
- A criança desfrutará da companhia de outras crianças, apredendo a dividir e a se socializar.
 
- Normalmente é mais barato que contratar uma babá.
 
Desvantagens da creche
 
- Não é atendimento personalizado.
 
- As crianças podem se contagiar com vírus e bactérias, sendo freqüentes os resfriados ou gripes, o que também pode acontecer com a criança que fica com babás, mas com menos freqüência.
 
- Você terá que expor o bebê ao clima todos os dias. Não terá opção de deixá-lo em casa se chove muito.
 
- Ele vai ter que se acostumar a um ambiente totalmente novo.
 
Cada familia é um mundo, sendo que não há soluções universais que sirvam para todos. Independente da opção que você escolher, o importante é que seja a que melhor se adapte às suas necessidades.
 
Fonte: Site Huggies

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Quando a babá não é opção:
 
Nem sempre ter uma babá para ajudar a cuidar do filho é a escolha da família. Nesses casos, é possível deixar o bebê com a avó ou num berçário. Confira os prós e contras dessas duas opções:
 
AVÓS
PRÓS
A chance de a avó criar o neto seguindo a mesma linha de pensamento dos pais é maior. Além disso, por ser uma pessoa da família, costuma dar mais sensação de segurança.
 
CONTRAS
Por ter mais independência, pode interferir nos limites impostos pelos pais. Se for uma pessoa de idade avançada, é necessário lembrar que ela não tem o mesmo pique que uma mulher de 30 anos e pode precisar de uma empregada para ajudar a “correr” atrás do neto.
 
BERÇÁRIO
PRÓS
Há pessoas especializadas cuidando do seu filho. A convivência com outras crianças da mesma idade facilita a socialização e o desenvolvimento.
 
CONTRAS
A entrada no berçário deixa o menor mais exposto às viroses em geral, afinal, seu sistema de defesa ainda está em formação e ela vai conviver com outras crianças e adultos.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Questionário base para as babás:

 
Por telefone, pergunte:
- Nome completo
- Telefone fixo - celular não é 100% confiável.
- Residência: vá até onde ela diz que mora, procure saber com vizinhos como ela é, como trata as crianças, etc
- Agência, se for recomendada por algum conhecido
- Referências de empregos anteriores, se ela tiver. Exija tudo documentado.
- Pretensão salarial.
 
Depois de checar todas as referências e aprová-las, marque um encontro com a babá.
 
Pessoalmente, pergunte:
- Como é sua família?
- O que fazia quando era criança?
- Do que mais gostava de brincar?
- Onde mora?
- Com quem vive?
- Você tem filhos?
- Como são seus hábitos alimentares?
- Por que decidiu ser babá?
- Há quanto tempo trabalha na área?
- O que mais gosta e o que menos gosta no serviço?
- Qual sua disponibilidade de trabalho? Pode viajar? Se precisar que durma uma noite, tudo bem?
- Você está trabalhando atualmente? Por que pensa em trocar de emprego?
- Qual o nome das crianças com quem trabalhava? (se ela não responder rapidamente, desconfie da atenção que ela vai dar aos seus filhos)
- Já fez algum curso (como de formação de babás, noções de primeiros socorros)?
- Já passou por uma situação de emergência? O que aconteceu e como resolveu o problema?
- Pode fazer trabalho doméstico?

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Treinamento de babá:

 
Cuidar de bebês e crianças é um ato delicado que exige, além de paciência, muito cuidado. São elas as responsáveis pelos pequenos enquanto os pais não estão presentes, no trabalho, por exemplo.
 
Para começar, vamos falar sobre os cuidados pessoais de uma babá. Crianças pequenas são frágeis e muito suscetíveis a doenças. Por esse motivo a higiene pessoal é fundamental.
 
Algumas dicas de higiene pessoal:
 
1) Lave o rosto ao menos duas vezes ao dia.
2) Evite muita maquiagem e esmalte nas unhas.
3) Mantenha os cabelos sempre bem cuidados.
4) Lave as mãos com água e sabão antes de manusear qualquer alimento, depois de usar o banheiro e sempre que for necessário.
5) Verifique sempre se os botões da roupa ou uniforme estão bem presos, pois as crianças podem engolir pequenos objetos.
6) Fique sempre atenta aos problemas de pele, como coceira ou micose.
 
Ao se tornar uma babá os pais estão confiando a você o que eles possuem de mais importante: seus filhos. Uma babá marca muito a vida de uma criança e se torna parte importante na família, por isso, se preocupe em sempre dar um bom exemplo.
 
Fonte: empregoerenda

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Os Segredos do Futuro Pai
 
Enjoos, desejos, inchaços nos seios, uns quilinhos a mais e uma barriga que cresce a cada semana. O que acontece com as mulheres durante a gestação não é um mito para ninguém, principalmente para elas.
 
Evidentemente, gravidez é um assunto bem feminino, afinal, são elas que passam os nove meses com os bebês nas barrigas e têm seus corpos transformados. Porém, a atenção para estas pequenas e adoráveis criaturas também são compartilhadas com uma outra pessoa: o pai. “É sua criança ali dentro daquela barriga, que cresce. Cada família é de um jeito e cada pai tem que achar maneiras de ser dono da gravidez também.”, diz Renato Kaufmann, pai de Lúcia e autor do livro Diário de Um Grávido.
 
Segundo a psicóloga Lídia Aratangy, mãe de Cláudia, Sílvia, Ucha e Sérgio, a ideia de ser pai assusta mesmo e, na nossa cultura, ainda é difícil para os homens demonstrar suas fragilidades e incertezas. “Haja capa de Superman para esconder todo o resto!”, diz Lídia. “Cada caso é diferente. São muitas as pressões possíveis, como por exemplo, ser mais responsável, ser (ainda) mais participante. Se a gente demonstra ou não acho que não dá pra generalizar. Eu grito.”, afirma Renato.
 
A transição de homem para pai é um processo cheio de emoções. E foi pensando nisso, que listamos cinco motivos para você entender melhor o que acontece com os grávidos durante a gestação e os primeiros dias de vida do novo membro da família.
 
1) Eles também ficam felizes
 
A notícia de que serão pais também traz felicidade aos homens. Porém, depois da novidade, vêm os medos e as preocupações. “O começo foi difícil. Um misto de alegria e terror.”, conta Renato.
 
Eles sabem que terão que ser pais diferentes dos que tiveram. “Medo da responsabilidade, de mudanças da companheira, de não corresponder às expectativas dela são exemplos das pressões que pesam nos ombros deles.”, confirma Lídia.
 
2) Construindo um ninho
 
Assim como as grávidas, os grávidos também passam pelo processo de nidificação, ou seja, criar um ninho. Em geral, as mamães compram as miudezas – como as roupinhas e enfeitinhos – e os pais, os cadeirões e berços. “Eu contribuí com bastante coisa, muitas delas descobri depois. O impulso de comprar nessa fase é horroroso!”, comenta Renato. Mas, isso não é uma regra. “É como se houvesse uma divisão implícita: ele é responsável pelo hardware e ela pelo software.”, diz Lídia.
 
3) Sim, ele está ouvindo
 
“Você passa a ouvir bebês chorando a quarteirões de distância e tem sobressaltos, até ter certeza de que não é o seu.”, constatou Renato. Segundo a psicóloga, na base do cérebro humano existe uma estrutura responsável por selecionar os estímulos que serão levados à nossa consciência. Renato contou que a babá eletrônica foi dispensada depois do primeiro mês de vida da Lúcia. “Esta estrutura aprende a identificar, em cada momento, quais os estímulos que merecem ser iluminados. Após o nascimento do bebê, ouvir o choro se torna fundamental.”, falou Lídia.
 
4) Criando laços
 
As mães possuem uma conexão física com os filhos e, por conta disso, fica mais fácil construir um vínculo sentimental com eles. Mesmo que os pais não estejam fisicamente conectados com o bebê, eles estão sendo preparados para este laço de amor intenso. “A conexão física não é só durante a gravidez, mas depois pela amamentação. É uma vantagem injusta.”, argumentou Renato, que ressaltou a importância das horas do banho, do arroto, do colo, a hora de dormir e da mamadeira. E ainda complementou: ”Se isso serve de consolo, os pais sabem que o amor da criança por eles não têm interesses lácteos!”.
 
5) Sincronia entre pai e bebê
 
As mulheres já se sentem mães após o resultado positivo do exame de gravidez. Já os homens, se sentem pais aos poucos. “Eu cresci junto com a barriga. Um pai em gestação, que nasceu junto com o bebê!”, revelou Renato.
 
Para que a sincronia entre os pais e os bebês cresça, é preciso que as mães deem uma chance a eles. Lídia recomenda que elas não atrapalhem e só ajudem se forem solicitadas. E apenas nisso. “O homem aprende a ser pai com o pai que ele teve e com os filhos que tem. Nunca com a mulher.”
 
Fonte: Pais e Filhos

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Dicas para contratar a melhor Babá:

Quando uma profissional da área se mostra muito eficiente na entrevista, porém não consegue se adaptar à família e a criança. Ou outras não tão eficientes ou experientes na função, mas mostram agilidade, dinamismo e facilidade em lidar com crianças. Realmente este é um momento que lhe exige atenção, sabedoria e muito tato na horta de contratar uma babá.
 
-Faça pessoalmente a entrevista das candidatas ao cargo.
 
-Observe sua forma de falar, agir e interagir.
 
-Veja a organização do currículo apresentado.
 
-Seja clara no que você quer do seu serviço, organização, agilidade, paciência, amor, dedicação e carinho com seu filho.
 
-A experiência anterior sempre é boa, mas caso não tenha, você terá a opção de ensiná-la o serviço e poderá se dar muito bem.
 
-Pegue sempre referência dos trabalhos anteriores.
 
-Analise o comprometimento dessa pessoa com o cargo e sua disposição para isso.
 
-Veja a distancia que será de sua residência até o trabalho.
 
-Observe o temperamento da candidata, se é muito agitada principalmente ao falar.
 
-E claro, se ela trabalha nesta área por que realmente gosta de criança ou por pura necessidade.
 
-Nunca contrate a primeira candidata sem antes entrevistar todas, afinal você estará colocando a pessoa para cuidar do seu maior tesouro e ainda introduzindo-a no seio do seu lar.
 
Gostar do que se faz, é essencial para uma função ser bem desempenhada. E com certeza seu filho terá mais facilidade ao se adaptar a essa pessoa. Escolha com calma analise muito bem, para ter a certeza que fez a escolha certa.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Que documentos devem ser apresentados pelo empregado doméstico no ato da admissão?

Carteira de Trabalho e Previdência Social - Para obter a CTPS, o trabalhador, com mais de 16 anos de idade, deverá se dirigir, portando uma foto 3x4 e qualquer documento de identidade (Carteira de Identidade, Certidão de Nascimento ou Casamento, Cadastro de Pessoa Física (CPF), Título Eleitoral, etc.), à Delegacia Regional do Trabalho (DRT), às Subdelegacias ou às Agências de Atendimento ao Trabalhador, ou, ainda, ao Sistema Nacional de Empregos (SINE), sindicatos, prefeituras ou outros órgãos conveniados (art.13 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho).
 
Comprovante de inscrição no INSS - Caso já o possua. Não o possuindo, poderá efetuar seu cadastramento nas Agências do INSS, apresentando o CPF, Certidão de Nascimento ou Casamento, Carteira de Identidade e CTPS devidamente anotada. Poderá, ainda, o trabalhador se cadastrar pela internet ou pelo PREVFONE 0800780191 (Instrução Normativa n ° 95, de 7 de outubro de 2003).

Voltar ao Topo

 

 

 

 

O que significa culpa recíproca?

Caracteriza-se a culpa recíproca quando ambos as partes de um contrato de trabalho cometem faltas, em face de seus comportamentos irregular e sem observância da legislação pertinente a matéria. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O que significa rescisão indireta?
 
Neste caso quem comete a falta grave é o empregador e o empregado é quem dá por rescindido o contrato de trabalho, fazendo jus a receber as mesmas verbas rescisórias que receberia se fosse despedida sem justa causa. Em outras palavras, a falta grave é do empregador e não do empregado. 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

O que é justa causa?

A relação de emprego doméstico guarda características peculiares, notadamente pelo trato íntimo familiar e, muitas das vezes, até de confidências do empregador. 
Nesta Ordem, à aferição do grau de confiança do empregado pode ser eminentemente subjetivo. Assim, não são quaisquer motivos que o empregador atribua como quebra de confiança que podem determinar dispensa do empregado por justa causa. 
Para que isto ocorra é necessário que o empregador verifique se o ato praticado pelo empregado se encontra citado no art. 482 da CLT que assim prescreve: Art. 482 - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: 
 
a) ato de improbidade;
b) incontinência de conduta ou mau procedimento; 
c) negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço; 
d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;
e) desídia no desempenho das respectivas funções;
f) embriaguez habitual ou em serviço;
g) violação de segredo da empresa;
h) ato de indisciplina ou de insubordinação;
i) abandono de emprego; 
j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;
k) ato lesivo da honra e boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;
l) prática constante de jogos de azar. 
 
Parágrafo único. Constitui igualmente justa causa para dispensa de empregado, a prática, devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios à segurança nacional. (Parágrafo acrescentado pelo Decreto-Lei nº 3, de 27.01.1966)".
 
Antes de proceder a demissão por justa causa de um empregado sempre é bom consultar um advogado. O tema às vezes pode ser juridicamente complexo, lembramos que o ônus da prova na dispensa por justa causa é inteiramente do empregador. Consultando seu advogado, você poderá evitar perda de tempo e dinheiro. 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

O que fazer quando o empregado se nega a assinar o recibo da rescião?

Caso a empregada doméstica se negue a assinar o recibo de rescisão o empregador doméstico deve ingressar com uma ação de consignação em pagamento perante a Justiça do Trabalho para dar quitação aos títulos rescisórios, como também dar baixa na Carteira Profissional. 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Quando o empregado abandona o emprego como devemos proceder?
 
O procedimento já deve começar na admissão do empregado. Todo empregador doméstico ao admitir um empregado deve solicitar do mesmo um comprovante de residência. Este é um documento indispensável na contratação de um empregado doméstico, pois caso ele deixe de comparecer ao emprego ou desapareça sem dar qualquer satisfação, o empregador tem como localizá-lo ou notificá-lo. 
 
Alertamos que a convocação feita através de edital em jornal convidando o empregado doméstico a retornar ao trabalho, não tem qualquer valor jurídico, pois o mesmo não tem obrigação de lê-lo, nem na maioria das vezes dinheiro para comprá-lo. 
 
O ideal é que a comunicação seja feita por meio de carta registrada ou até de notificação judicial. O fato de o empregado não atender a comunicação publicada na imprensa pelo empregador pedindo seu retorno ao serviço, sob pena da caracterização da justa causa, não revela o seu ânimo de abandonar o emprego. 
 
Deve o empregador mandar uma carta com aviso de recebimento, ou telegrama, convocando o doméstico para o retorno ao trabalho. Caso ele não atenda está caracterizado o abandono do emprego, o que vai ensejar uma demissão por justa causa, e você deverá ingressar com uma ação de consignação em pagamento perante a Justiça do Trabalho para dar baixa na CTPS e fazer um acerto de contas. 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Diarista na minha casa:

A rotina das pessoas está cheia de responsabilidades. Trabalho, estudos ou filhos ocupam o tempo de muita gente. Além de tudo isso, ainda há a organização do lar. Se você sente que os momentos de lazer e descanso estão ficando cada vez mais escassos, que tal colocar ao menos uma dessas responsabilidades na mão de outras pessoas?
Uma diarista (faxineira) é uma boa opção de ganhar mais tempo para fazer outras coisas. Dependendo de quantas pessoas morem na sua casa, estipule uma periodicidade para fazer uma boa faxina. Pode ser uma vez por semana ou a cada 15 dias, você estipula de acordo com a necessidade.
Primeiro passo: Conversar com toda a família para ver como cada um pode contribuir em termos de dinheiro e de até de manutenção e arrumação do espaço.
 
Pesquisa e uma boa conversa
Para contratar os serviços de uma diarista, também vale a pesquisa de preços. Ao conversar com as candidatas, pergunte quais os serviços que elas fazem e quais que não topam, além de arrumar a casa. Por exemplo: lavar e passar roupas, cozinhar.
Faça o possível para escolher uma profissional que você acredite que vá prestar serviços com frequencia. Assim o laço de confiança vai aumentando.
 
Um por todos, todos por um
Se as pessoas na sua casa costumam se juntar para fazer a arrumação completa da casa aos fins de semana, o trabalho de uma diarista pode ajudar com mais tempo para a sua carreira, por exemplo. Muitos cursos de diversas áreas oferecem aulas nos fins de semana.
Durante os dias em que a diarista não trabalha em sua casa, você e a sua família podem se organizar para manter o lar arrumado, sem maiores incômodos.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Roteiro de entrevista para o profissional:

1. Fale sobre si.
Esta pergunta é quase obrigatória em uma entrevista de emprego e deverá ser muito bem praticada para uma resposta sucinta, direta e, acima de tudo, que valorize o seu perfil profissional.
 
2. Quais são seus objetivos a curto prazo? E a longo prazo?
Seja específico e tente aproximar, de alguma forma, os seus objetivos aos da própria empresa. Respostas como "ganhar bem" ou "aposentar-se" são totalmente proibidas.
 
3. O que o levou a enviar o seu curriculum a esta empresa?
Aproveite esta deixa para demonstrar que fez o seu "trabalho de casa" e fale sobre a atividade da empresa e a forma como o posicionamento desta a torna uma empresa de elevado interesse para qualquer profissional. Naturalmente, para responder a esta pergunta, é preciso fazer previamente uma pesquisa sobre a empresa. Vá ao site institucional, faça pesquisas usando mecanismos de busca, leia revistas da especialidade e converse com pessoas que trabalham ou já trabalharam lá.
 
4. Qual foi a decisão mais difícil que tomou até hoje?
O que é pretendido com esta questão, é que os candidatos sejam capazes de identificar uma situação em que tenham sido confrontados com um problema ou dúvida, e que tenham sido capazes de analisar alternativas e consequências e decidir da melhor forma.
 
5. O que procura num emprego?
As hipóteses de resposta são várias: desenvolvimento profissional e pessoal, desafios, envolvimento, participação num projeto ou organização de sucesso, contribuição para o sucesso da sua empresa, etc.
 
6. Você é capaz de trabalhar sob pressão e com prazos definidos?
Um "não" a esta pergunta pode destruir por completo as suas hipóteses de ser o candidato escolhido, demonstre-se capaz de trabalhar por prazos e dê exemplos de situações vividas em trabalhos anteriores.
 
7. Dê-nos um motivo para o escolhermos em vez dos outros candidatos.
Esta é sempre das perguntas mais complicadas mas o que se espera é que o candidato saiba "vender" o seu produto. Isto é, deverá focar-se nas suas capacidades e valorizar o seu perfil como o mais adequado para aquela função e a forma como poderá trazer benefícios e lucros para a empresa.
 
8. O que você faz no seu tempo livre?
Seja sincero, mas sobretudo lembre-se que os seus hobbies e ocupações demonstram não só a capacidade de gerir o seu tempo, preocupações com o seu desenvolvimento pessoal e facilidade no relacionamento interpessoal.
 
9. Quais são as suas maiores qualidades?
Aponte aquelas características universalmente relacionadas com um bom profissional: proatividade, empenho, responsabilidade, entusiasmo, criatividade, persistência, dedicação, iniciativa, e competência.
 
10. E pontos negativos/defeitos?
Naturalmente que a resposta não poderá ser muito negativa, pois serão poucas as hipóteses para um profissional que diga ser desorganizado, desmotivado ou pouco cumpridor dos seus horários. 
Assim, o truque é responder partindo daquilo que normalmente é considerado uma qualidade mas agravando-o de forma a parecer um "defeito". Ou seja, exigente demais, perfeccionista, muito auto-crítico, persistente demais, etc.
 
11. Que avaliação faz da sua última (ou atual) experiência profissional?
Não se queixe e, em caso algum, critique a empresa e respectivos colaboradores. Diga sempre alguma coisa positiva, ou o ambiente de trabalho ou o produto/serviço da empresa. Se começar a apontar defeitos ao seu emprego anterior correrá o risco de o entrevistador achar que o mesmo pode acontecer no futuro relativamente aquela empresa.
 
12. Até hoje, quais foram as experiências profissionais que lhe deram maior satisfação?
Seja qual for a sua escolha, justifique bem os motivos. Tente mencionar as mais recentes e que sejam mais adequadas aos seus objetivos profissionais.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

A boa apresentação da empregada doméstica:

Colega, a empregada é o cartão de visita da casa! Quando chega alguém, quem atende a porta? Quem serve o cafezinho?
É por isso que a gente tem que estar sempre linda e maravilhosa… assim como eu!
Mas eu também me preocupo com um monte de coisa da cabeça aos pés:
  • cabelo tem que estar limpo, sempre preso. Se você estiver na cozinha, coloque também uma redinha ou touca para ninguém encontrar um cabelo seu perdido por aí…;
  • nada de bijouterias! Mas um brinco pequeno, tudo bem, pode;
  • maquiagem, nem pensar! Deixa pro fim de semana;
  • unhas curtas sempre!!! E sem esmalte, né, colega? Você não vai conseguir manter o esmalte sem descascar mexendo direto com produto de limpeza;
  • não vai aparecer descalça para trabalhar! Use tênis ou chinelo conforme o que você esteja fazendo;
  • um uniforme é sempre a melhor opção de roupa, você não gasta as suas e está sempre bem apresentada. Mantenha ele sempre bem lavado e passado! Atenção nos detalhes também: botões, manchas, rasgos, etc. Se ele estiver ficando velho peça um novo para sua patroa! Você consegue manter o seu uniforme limpo e cheiroso com Omo Líquido Super Concentrado e ainda, pra tirar as manchas do dia a dia, é só aplicar o produto direto na mancha deixando de molho e depois lavando. Super fácil!;
  • não use o uniforme justo nem curto, fica muito feio e até indecente. Do mesmo jeito, muito grande e comprido também fica horrível. Sabe como é, colega, às vezes você herda um uniforme de outra pessoa… mas concentra e vê se ele fica bom para você;
  • higiene também é fundamental!
O trabalho doméstico é igual a qualquer outro… o fato de você trabalhar na casa de uma família, não quer dizer que você não precise estar com uma boa aparência, né? Se cuida!
bjs!

 

 

 

 

Cuidados com o Idoso - Prevenção de acidentes domésticos:
 
Riscos de acidentes domésticos estão nos mais diversos ambientes e situações, desde o contato com altas temperaturas na cozinha até o caminhar do quarto para o banheiro durante a noite. Este último é um dos casos mais comuns de acidentes que acomete os idosos, quando o risco é maior; pois a recuperação, na maior parte das vezes, é mais lenta e complicada. 
Residências adaptadas com corrimões e materiais antiderrapantes colaboram muito para evitar este tipo de acidente. Mas cuidados simples como tirar objetos que obstruam o caminho pela casa e manter iluminação adequada podem ser a diferença para evitar um transtorno deste tipo. A professora do Imes, Rosamaria R. Garcia, atua na clínica de fisioterapia da Universidade e dá algumas informações e dicas de como prevenir e lidar com os acidentes domésticos com o idoso.  
 
1. Principais riscos de acidentes com idosos em casa: 
 
As casas das pessoas idosas geralmente são repletas de perigos. Os principais riscos são: 
•  presença de muitos móveis atrapalhando a passagem,  
•  escadas inclinadas, com degraus irregulares, mal iluminadas  e sem corrimão,  
•  tapetes avulsos e carpetes mal adaptados ou rasgados  
•  má iluminação,  
•  tacos soltos no chão ou pisos quebrados,  
•  pisos encerados ou escorregadios,  
•  camas e sofás muito altos ou muito baixos,  
•  cadeiras e vasos sanitários muito baixos,  
•  prateleiras de difícil alcance,  
•  presença de animais domésticos pela casa,  
•  uso de chinelos ou sapatos em más condições ou mal adaptados,  
•  fios elétricos soltos, objetos espalhados pelo chão.  
 
2. Formas de prevenção de acidentes mais utilizadas e atitudes para evitá-los:  
 
•  retirar móveis que estejam atrapalhando a passagem (principalmente em corredores, caminho para atender ao telefone, à porta, para chegar ao banheiro) ou colocá-los em outros locais. 
•  colocar corrimão nas escadas e utilizá-los sempre; 
•  utilizar as escadas sempre com luz acesa; 
•  colocar fita adesiva colorida e antiderrapante nos degraus ou principalmente no primeiro e no último degrau;  
•  retirar todos os tapetes avulsos e consertar o carpete; •  se for impossível retirar os tapetes, colocar fita adesiva antiderrapante para evitar que escorreguem; 
•  aumentar a altura dos móveis e do vaso sanitário; 
•  evitar sentar em cadeiras, sofás e camas que dificultem a transferência para outros locais; 
•  manter os objetos e utensílios mais utilizados entre a altura dos ombros e da cintura, evitando subir em banquinhos e cadeiras ou abaixar-se demais; 
•  quando for brincar com o animal de estimação, faça-o sentado; 
•  quando estiver fazendo atividades que exijam deslocamento constante, como cozinhar, estender roupas, etc, deixar o animal de  estimação em outro cômodo, evitando tropeçar nele; 
•  evitar o uso de chinelos e sapatos mal calçados ou soltos, como tamancos, sandálias, pois a forma como o peso é descarregado nos pés muda completamente, favorecendo a queda; 
•  manter os fios presos ou embaixo de móveis; 
•  instalar barras de apoio no box e no vaso sanitário, para facilitar o banho e a utilização do banheiro; 
•  usar tapete antiderrapante no box e não tomar banho descalço; 
•  nunca se agarrar na pia para levantar-se do vaso, pois esta pode deslocarse e provocar um sério acidente; Hoje, os arquitetos e profissionais da área elaboram projetos de residências específicas e adaptadas para idosos. Mesmo os adultos jovens devem pensar no seu próprio envelhecimento ao construírem ou adquirirem uma residência, pois provavelmente podem envelhecer na mesma, tendo dificuldades para subir escadas ou entrar e sair de uma banheira, por exemplo. 
 
3. Procedimentos imediatos em caso de queda:  
 
•  Se a pessoa cair, nunca deve levantar-se imediatamente. Deve manter a calma, verificar se há algum sangramento ou lesão. Em caso positivo, tem de ir imediatamente a um pronto socorro. Caso ninguém  possa levá-la, deve chamar uma ambulância pelos telefones 193, 199 ou  192. Este serviço a transportará até o hospital por meio de pessoas especializadas. 
•  O acompanhante, cuidador ou familiar do idoso não deve apressá-lo para levantar-se e nem apavorá-lo com a queda. Deve demonstrar calma e esperar o tempo que for necessário para ajudar o idoso a levantar-se. Deve certificar-se de que o idoso esteja bem e chamar a ambulância para levá-lo ao hospital. É importante fazer uma avaliação médica para verificar se não houve lesão ou algum outro dano. 
•  Se estiver com dor, aguardar o alívio para somente depois levantar. 
•  O idoso não deve tentar levantar-se sozinho. Deve pedir auxílio a alguém. Se estiver sozinho, esperar alguns minutos até sentir-se bem e disposto para levantar. 
•  Sempre relatar a queda aos profissionais de saúde, pois os mesmos podem ajudá-lo a identificar lesões, como fraturas ou contusões, e prevenir novas quedas.
•  Não usar medicamentos sem prescrição do médico.  
•  Nunca usar compressas quentes para contusões, escoriações ou pancadas, pois aumentam o sangramento e a inflamação. 
•  O acompanhante ou familiar não deve restringir o idoso em decorrência da queda. Impedir que o idoso saia de casa ou deixe de fazer suas atividades do dia-a-dia aumentará ainda mais o risco de cair. Portanto, após uma queda e a constatação do adequado estado de saúde do idoso, o familiar deve deixá-lo retornar às suas atividades normais. 
 
4. Comportamentos de risco - o que fazer para prevenir a queda?  
 
•  Não subir em banquinhos ou cadeiras, ou apoiar-se na cama ou em outros locais para alcançar prateleiras altas ou maleiros; 
•  Não apoiar-se em cadeiras ou portas de geladeira ou de  armários para levantar-se ou para andar; 
•  Na rua, nunca atravessar no meio dos carros ou quando o semáforo para pedestres ainda estiver vermelho; 
•  Se estiver com sono, não permanecer em cadeiras ou móveis  instáveis, pois ao adormecer, poderá cair; 
•  Manter a casa o mais livre possível de riscos de quedas (veja no item 2); 
•  Não lavar a cozinha, banheiro ou quintal com chinelos ou descalço, pois poderá escorregar; 
•  Durante a noite, deixar sempre uma luz acesa, para facilitar o deslocamento do quarto até o banheiro. Geralmente, os idosos levantam-se à noite e a sonolência ou o efeito de alguns medicamentos podem provocar quedas; "Pensar que a queda nunca acontecerá com você também é um risco, pois impede a prevenção. A maioria das quedas é inesperada e pode acontecer a qualquer um, portanto, todos devem preveni-la." 
 
Fonte: Rosamaria R. Garcia é fisioterapeuta e mestre em saúde pública pela Universidade de São 
Paulo. Atualmente, leciona na área de Fisioterapia Reumatológica e Geriátrica no Imes.

Voltar ao Topo

 

 

 

INSCRIÇÃO DO TRABALHADOR NA PREVIDÊNCIA SOCIAL:

 
Ligue para o PrevFone: 135
e informe os seguintes dados do trabalhador:
  • Nome;
  • Data de nascimento;
  • Nome da Mãe;
  • Grau de Instrução;
  • Município onde nasceu;
  • Naturalidade (Estado onde nasceu);
  • Nacionalidade;
  • Cédula de Identidade, órgão emissor e Estado;
  • Título de Eleitor;
  • CPF;
  • Endereço completo com o CEP;
  • Ocupação/Cargo/Função.
  • Ou preencha o formulário do site da Previdência Social para fazer a inscrição clicando no link à seguir:

Fonte: www.numerabilis.cnt.br

Voltar ao Topo

 

 

 

Como limpar janelas e vidros:

Por Karen Gomes.
 
Truques e dicas para deixar sua casa impecável
 
Toda mulher gosta de ver sua casa limpinha, porém, certos lugares necessitam de mais empenho para um bom resultado. É o caso das janelas e os vidros.
 
Para adquirir uma aparência melhor, as janelas necessitam de limpeza regularmente. Tanto os produtos comerciais quanto as receitas caseiras dão o mesmo resultado. A diferença é que com as receitas caseiras, você economiza dinheiro.
 
Qual o segredo da limpeza de janelas e vidros?
 
O ideal é lavar a janela em dias nublados, pois a luz solar direta acaba secando o produto de limpeza antes que você possa polir o vidro adequadamente.
 
Para limpar o canto da janela, utilize uma escova de dente macia ou cotonetes. Lavar um lado da janela com movimentos horizontais e o outro lado com movimentos verticais, pode te ajudar a identificar em qual deles ainda restam manchas.
 
Polir as janelas com um jornal amassado é uma forma de obter um brilho reluzente. O papel ainda deixa uma película que é resistente à sujeira.
 
Camisetas de algodão ou fraldas de tecido, ou esfregar um apagador de quadro-negro limpo sobre a janela recentemente lavada e seca são outras formas de garantir um vidro ainda mais brilhoso.
 
Caso o vidro esteja muito empoeirado, antes de limpar passe apenas um papel (absorvente ou jornal). Depois, um pano macio e limpo, embebido com água ou álcool.
 
Para finalizar, aí vai uma receita de limpador de vidro caseiro que garante um bom resultado e economia.
 
Receita de limpador de vidro caseiro:
 
Você vai precisar de:
 
- 2 colheres (sopa) de amônia
 
- 1/2 copo de álcool para limpeza
 
- 1/4 de colher (chá) de detergente
 
Misture todos os ingredientes em uma garrafa pequena com borrifador. Complete com água e chacoalhe bem. Se preferir, substitua a amônia por 3 colheres (sopa) de vinagre ou suco de limão. Agora é só usar!

 

 

 

Dicas para diminuir as despesas domésticas

Pequenas atitudes diariamente podem fazer com que as suas despesas domésticas diminuam consideravelmente. São medidas simples que a coluna destaca nesta semana para o consumidor alagoano. Agindo desta maneira ou chegando perto destas dicas, você pode economizar bastante e ainda investir o seu rico dinheirinho em áreas consideradas, até agora, supérfluas. Vamos lá:
 
Alimentação:
Antes de ir ao supermercado, elabore uma lista de tudo o que você precisa. Desta forma, evitará gastos desnecessários. Fique atento à disposição dos produtos nas prateleiras: supérfluos e itens mais caros estão, normalmente, sempre ao seu alcance.
 
Vestuário:
Não compre por impulso. Pesquise! O mesmo produto pode, por vezes, ser encontrado em diversas lojas por preços diferenciados. Cuidado com as promoções. Nem sempre elas são tão vantajosas quanto se apresentam.
 
Mensalidades:
Atente-se às cláusulas referentes às datas de vencimento dos pagamentos, assim como às penalidades previstas em contrato. Procure, se possível, adequar os vencimentos a datas posteriores a do recebimento do seu salário.
 
Energia elétrica:
Aproveite a iluminação natural, abrindo cortinas e janelas. Locais que não estão sendo usados dispensam lâmpadas acesas. Lembre-se de que pinturas escuras dentro de casa exigem mais iluminação, gerando maior consumo de energia. Em locais de grande circulação (cozinha, área de serviço, banheiro) procure utilizar lâmpadas fluorescentes, que duram mais e reduzem o gasto com energia. Com relação às geladeiras e freezers, mantenha-os desencostados de móveis ou paredes, em local arejado e distante de fontes de calor (fogão, luz solar etc.). Evite o “abre e fecha” das portas que provoca grande consumo de energia e não a deixe aberta por longo tempo. Acumule a maior quantidade possível de roupas e passe-as de uma só vez. Evite banhos quentes demorados. Desligue a televisão quando ninguém está assistindo e não durma com a tevê ligada. Utilize máquinas de lavar e secar em sua capacidade máxima, mas sem sobrecarregá-las.
 
Telefone:
Procure utilizá-lo racionalmente. Ligações mais demoradas e/ou interurbanas ficarão mais baratas se feitas em horários de tarifas reduzidas. Informe-se junto às operadoras e pesquise quais são esses horários. Lembre-se de que as ligações em aparelhos celulares possuem tarifas mais elevadas.
 
Água:
Mantenha as torneiras sempre bem fechadas e verifique regularmente se não há vazamentos. Utilize a água racionalmente para lavar roupas, louças, limpeza e banho.
 
Aluguel e condomínio:
Procure não comprometer mais do que 1/3 de seu orçamento com o aluguel e condomínio. Pague sempre em dias essas despesas, evitando juros e multas. Participe regularmente das assembléias de condomínio. Impostos como IPVA, IPTU e outros devem ser considerados na elaboração de seu orçamento. Contribuições a órgãos de classe e compromissos com instituições assistenciais não podem ser esquecidos e devem ser relacionados.
 
Despesas eventuais:
Preserve sempre uma parcela de seu salário para os gastos imprevistos que podem ocorrer mensalmente, como: a compra de remédios, a necessidade de adquirir um presente, um pequeno reparo em um eletrodoméstico ou uma saída com a família ou amigos. Despesas sazonais como volta às aulas, datas comemorativas (Dia dos Pais, das Mães, dos Namorados, da Criança, Natal, Páscoa etc.), também devem ser consideradas. Elas podem representar um gasto substancial em seu orçamento.
 
Na hora da compra:
Ao fazer suas compras é importante lembrar que os estabelecimentos comerciais colocam à sua disposição diferentes formas de pagamento. Evite qualquer comprometimento do seu orçamento, analisando a real necessidade da compra em parcelas e seu efetivo custo..
 
À vista: opte por esta forma de pagamento. Isto pode possibilitar bons descontos e evitar futuros aborrecimentos.
 
À prazo: fique atento às taxas de juros cobradas para o financiamento de mercadorias e serviços. O preço à vista, da entrada, das parcelas, do total a prazo, bem como as taxas de juros, o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e a TAC (Taxa de Abertura de Crédito) devem ser informados previamente, conforme está previsto no Código de Defesa do Consumidor. Mesmo no parcelamento “sem acréscimo” geralmente estão embutidos altos juros. Atrasos no pagamento da prestação de financiamento implicam multa de até 2%. É assegurada ao consumidor a liquidação antecipada dos débitos, total ou parcialmente, mediante a redução proporcional dos juros e demais acréscimos.
 
Fonte: O Jornal Web – http: // www ojornalweb com

Voltar ao Topo

 

 

 

 

 

INSS - Tabela vigente para empregados domésticos:

Tabela de contribuição de empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração a partir de 1º de Janeiro de 2012

Salário de Contribuição (R$) Alíquota do Empregado Alíquota do Empregador Total a Recolher
Até 1.174,87 8,00% 12,00% 20,00%
De 1.174,88 até 1.958,10 9,00% 12,00% 21,00%
De 1.958,11 até 3.916,20 11,00% 12,00% 23,00%
Portaria nº 02, de 06 de janeiro de 2012
 

Voltar ao Topo

 

 

 

 

 

Como gerenciar sua empregada doméstica:
Por José Neves (Blog Neves)
 
Precisa de uma empregada doméstica mas não entende porque ela fica igual a uma barata tonta nos primeiros dias? Bom, devo dizer que a culpa é toda sua. Isso mesmo, a culpa é sua que, como patrão ou patroa, não instruiu sua funcionária corretamente. Saiba que é ritual em toda empresa dar os primeiros passos é fundamental para o bom transcorrer do trabalho de um profissional. Dentro de casa não é diferente. Ninguém nasce sabendo, por mais competente que seja a sua funcionária do lar.
Por isso, trazemos aqui a você que pretende contratar ou já contratou uma empregada doméstica um pequeno guia sobre como administrar essa relação entre padrão e funcionário de maneira equilibrada e tranquila. Vamos lá:
 
Faça um tour inicial:
Assim como todo novo funcionário em uma empresa, é importante que ele conheça o “departamento” em que irá trabalhar dali em diante.  Faça um tour com ela pela casa, mostrando os lugares e como as coisas devem ser guardadas. Caso não seja possível acompanhar a empregada pessoalmente, adote o sistema de bilhetes, lista de afazeres e recados. O importante é manter sempre um canal de comunicação, que pode se combinado de início. Um mural de recados ou até mesmo a geladeira pode se prestar a isso.
 
Crie um plano de ação:
A empregada tem lá seus gostos, costumes, critérios, mas que nem sempre batem com os da família. Para alinhar as expectativas,  liste todas as tarefas domésticas que devem ser executadas com o máximo de detalhes possíveis (produto a ser usado na limpeza, periodicidade, o que evitar, como limpar e assim por diante)
 
Identifique pontos fundamentais da casa:
Imagine uma pessoa estrangeira cair de paraquedas em sua casa e, de repente, ter que se virar nos 30 pra saber aonde fica aquela gaveta de meias? Pois então facilite a vida da mulher criando uma identificação clara e objetiva para cada gaveta, prateleira ou caixa,
Para não prejudicar a decoração do lar, cole nas laterais ou na parte interna dos móveis e objetos. Essa tarefa fica muito mais fácil com etiquetadoras eletrônicas
 
Faça a compra inaugural junto com ela:
Caso a empregada fique encarregada das compras de supermercado, o ideal é que haja um acompanhamento da primeira vez, mostre suas marcas e seus produtos preferidos. Faça uma lista básica e, a cada nova saída, aponte o que deve ser comprado.
 
Estabeleça datas e periodicidade das tarefas:
Agrupe essas tarefas por ordem cronológica e crie o seu checklist diário, semanal e mensal a ser utilizado pela empregada.
 
Vistorie o resultado e dê a ela um feed back:
Todo gerente que se preste necessita verificar o desempenho de seus colaboradores. Gerenciar o lar não é diferente. Por isso, reserve um tempo para acompanhar sua empregada e assistir como ela executa cada tarefa. Corrija o que estiver errado.
 
Respeite para ser respeitado:
Formalize suas relações de trabalho com a empregada doméstica por escrito e, acima de tudo, cumpra a jornada de trabalho estipulada com ela. Apesar de sempre buscarmos uma relação mais familiar com a empregada doméstica é muito importante não misturar as coisas e manter certa racionalidade nas relações.
 
Elogie sua empregada:
Talvez uma das partes mais importantes. Valorizar o trabalho das pessoas é a melhor maneira de estimulá-las a buscar sempre fazer o melhor. Reconheça a importância do trabalho dela e o quanto você aprecia encontrar tudo limpo e organizado. Aliás, nada melhor que encontrar sua casa toda organizada e harmoniosa depois de atravessar a hora do rush.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Aumenta a idade média das trabalhadoras domésticas:

Por: Angela Pinho (Folha de S.Paulo, em Brasília)

Além do aumento da participação de diaristas, uma mudança ocorrida no mercado de trabalhadores domésticos diz respeito ao envelhecimento das profissionais durante a última década.

Empregada doméstica dá lugar a diarista no Brasil, aponta estudo

Em 1998, 32% delas tinham até 24 anos. Dez anos depois, essa mesma proporção caiu para 17%. A faixa etária que mais cresceu foi a de 45 a 59 anos, que passou de 17% para 26% da categoria.

Uma das explicações do estudo do Ipea para esse movimento é o pequeno aumento de escolaridade no Brasil, que abre novas perspectivas para as mulheres mais jovens, principalmente as que têm entre 18 e 24 anos, além do desvalorizado trabalho doméstico.

"Como o Brasil está aumentando o nível educacional, tem muito pouca mulher jovem disposta a aceitar trabalhar como doméstica. Elas acabam vendo isso como uma ocupação temporária", afirma Simone Wajnman, da UFMG.

Para ter uma ideia, as domésticas nessa faixa etária tinham em 2008, em média, oito anos de estudo, o que significa pouco mais do que o ensino fundamental completo. Dez anos antes, em 1998, a média ficava em 5,6 anos de escola.

Já as mais velhas, com 60 anos ou mais, estudaram pouco mais do que três anos, o que, além da idade em si, dificulta a procura por um novo tipo de trabalho no mercado.

A expansão das matrículas na educação, por outro lado, não impediu que o Brasil ainda tivesse, no ano passado, 305 mil meninas entre 10 e 17 anos -em idade escolar, portanto- trabalhando como empregadas domésticas. Em 1998, elas eram 490 mil.

A participação das mulheres mais novas, com até 24 anos, no trabalho doméstico varia de acordo com cada região. No Sudeste, no Sul e no Centro-Oeste, a proporção varia de 13% a 19% das diaristas.

Nas regiões Nordeste e Norte, elas representam 30% e 26% das diaristas, respectivamente.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Empregada doméstica dá lugar a diarista no Brasil, aponta estudo:

Por: Angela Pinho (Folha de S.Paulo, em Brasília)

O perfil do mercado de trabalho doméstico no Brasil mudou, e cada vez mais as diaristas ocupam um espaço em que as chamadas empregadas mensalistas eram absolutas.

A conclusão está em pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) realizada com base em dados do IBGE. De 1998 a 2008, o número de diaristas quase duplicou e, embora continuem minoritárias, elas vêm aumentando regularmente sua participação, passando de 17% para 25% do total de trabalhadores domésticos.

Os pesquisadores consideraram como diarista a profissional que disse trabalhar em mais de um domicílio e como mensalistas as que trabalham em apenas uma residência. É um critério aproximado, já que é possível haver diaristas mesmo entre as que atuam em somente uma residência.

Os dados brutos da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) trazem uma pista para explicar o fenômeno: a renda. As diaristas ganham, em média, 17% a mais do que as outras domésticas, o que dá R$ 57 a mais por mês.

Ganho maior

Foi justamente a questão financeira que fez Helena Nunes, 37, de Campinas, deixar neste ano a casa onde trabalhou por 14 anos para fazer faxina em outros lugares. Ela ganhava R$ 650 trabalhando a semana toda. Agora, cobrando R$ 70 por dia, consegue obter mais em apenas dez dias por mês.

Trata-se de uma renda maior em termos, já que as diaristas que têm carteira assinada são uma minoria -somente 14%, na comparação com 30% das mensalistas.

O reconhecimento de vínculo empregatício tem variado, mas uma decisão de 2004 do Tribunal Superior do Trabalho não o reconheceu no caso de uma profissional que trabalhava três vezes por semana na mesma casa.

Ainda assim, como a renda média do emprego doméstico é menor do que um salário mínimo (R$ 351), o valor dos benefícios acaba muitas vezes ficando em segundo plano para a trabalhadora. A falta de registro em carteira, que já é vantajosa para o patrão, passa a ser opção das próprias profissionais.

Autonomia

Além disso, embora percam em proteção social, as domésticas ganham em autonomia, ao optarem pelo trabalho de diarista, afirma a pesquisadora do Ipea Natália de Oliveira Fontoura. "A gente pode pensar em uma mudança para um arranjo de trabalho mais profissionalizado, com caráter de prestação de serviços", diz.

Ilídia Batista, 57, de Brasília, morou 18 anos na casa da antiga empregadora. Saiu quando as crianças cresceram e, em vez de procurar outra residência, escolheu ser diarista para ganhar mais. "No começo, foi até difícil me acostumar a morar na minha casa, mas eu vi que posso andar do jeito que eu quero, fazer o que eu quero", diz. Agora, ela afirma não querer mais morar em outra casa.

A presidente do Sindicato de Empregadas e Trabalhadores Domésticos de São Paulo, Camila Ferrari, também notou que são muito mais raras as profissionais que moram no local de trabalho. "Antes, a empregada vinha do interior e precisava de lugar para morar. Agora, já constituiu família e quer ter a sua casa. Além disso, quem vive com os patrões acaba trabalhando da hora em que acorda até a noite", diz.

De fato, os dados da Pnad mostram uma relativa vantagem das diaristas em relação às demais empregadas no quesito carga horária. São quatro horas a menos por semana, cerca de 33 horas e 30 minutos, ante 37 horas e 30 minutos.

Essa diferença de horário, assim como a diminuição do número de empregadas que dormem na casa dos patrões, é compensada por questões demográficas. "Como as famílias estão ficando menores, há menos exigência de trabalho doméstico e, por isso mesmo, é possível ter empregada doméstica em tempo parcial", diz Simone Wajnman, professora do Departamento de Demografia da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Resumo de Funções:

DIARISTA: Preparam as refeições e prestam assistência às pessoas, cuidam de peças do vestuário como roupas e sapatos e colaboram na administração da casa, conforme orientação. Fazem arrumação ou faxina.

EMPREGADO(A) DOMÉSTICO(A): Exercem praticamente as mesmas funções do(a) faxineiro(a) no entanto prestam serviços de natureza contínua, num ambiente familiar.

MOTORISTA PARTICULAR: Dirigem e manobram veículos e transportam pessoas, cargas ou valores.

JARDINEIRO: Cuidam de propriedades residenciais, preparo de mudas e sementes.

AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO LAR: Cuida da saúde de bebês, crianças, jovens e idosos.

CASEIRO(A): Cuida de sítios e chácaras.

COZINHEIRO: Cozinham, organizam e supervisionam serviços de cozinha em residências e outros locais de refeições.

GOVERNANTA: Atendem hóspedes e familiares, organizando e supervisionando os trabalhos dos empregados.

BABÁ: Cuidam de bebês, crianças e jovens, zelando pelo bem-estar, saúde e alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer da pessoa assistida.

LAVADEIRA: Executam tarefas de lavar, secar e passar peças do vestuário e outros artefatos

COPEIRA: Ela organiza o serviço da copa (de uma casa, de um restaurante, etc), para que tudo esteja pronto para servir e atender aos patrões/clientes.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Como treinar sua empregada doméstica:

Ensine com respeito e disponibilidade:
Quando você for passar as atividades que suafuncionária deve fazer, demonstre que esta missãoé prazerosa para você. Deixe que ela perceba quevocê está disponível para ajudá-la em suaspossíveis dificuldades. Assim ela vai se esforçarpara aprender mais rapidamente sua função. Nãoficará com medo de errar e ser repreendida.
  
Aprenda a delegar responsabilidades:
As contribuições da funcionária são fundamentaispara que novos conceitos sejam apreendidos. Dêautonomia a ela. Uma pessoa se sente motivada sepuder exercer sua criatividade, tomar decisões, atémesmo errar. Mesmo que a autonomia sejapequena, alguma você deve dar a ela. Só tomandoiniciativas ela agregará valor a à sua função defuncionária doméstica, ajudando você a pensar nodia a dia da casa.
 
Veja o lado humano de sua funcionária:
Ela tem que saber que pode contar com você paravencer as dificuldades pessoais dela. Você nãodeve se tornar íntima da funcionária, mas invistanas relações interpessoais. Dê o melhor de si.
 
Comunicação é fundamental:
Algumas palavras antes de sair de casa e umapequena supervisão no serviço da funcionáriaquando volta do trabalho é fundamental. Alguma explicação extra, uso de checklists, fotos, revisãode tarefas e outras ferramentas para garantir que o serviço fique mais bem feito é decisivo para quea funcionária se motive.
 
Lembre-se que todos precisam de reconhecimento:
Fale palavras de elogio na frente de outro funcionário ou das pessoas que moram na casa. Ela sesentirá orgulhosa do seu serviço ter sido reconhecido.
 
Fonte: http://www.organizesuavida.com.br
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Contrate uma babá com segurança e conforto:

O bebê chegou e agora a mamãe precisar voltar ao trabalho. O que fazer?

Uma das melhores saídas é deixá-lo em casa, onde está menos vulnerável às doenças e infecções transmitidas por outras crianças em ambientes coletivos.

Em destaque, acompanhando a demanda do mercado, estão as agências de babás, um serviço que cresce cada dia mais. As empresas promovem cursos e treinamentos focados em temas como segurança, higiene e saúde infantil. A futura babá também precisa aprender a conciliar a diversão com a educação e compreender o desenvolvimento emocional das crianças. As agências facilitam a contratação da babá selecionando as profissionais de acordo com o perfil desejado pelos pais.

A psicóloga Angela Clara, diretora técnica da Unire, empresa focada em desenvolvimento humano, explica os fatores que devem observados pelos pais ao procurarem uma profissional. “A primeira medida para acertar a escolha é saber o que se procura. É importante definir os aspectos práticos da sua necessidade como horários, folgas, salários e tarefas”, explica.

As agências não são a única forma para contratar uma babá. Os caminhos mais comuns vão desde anúncios em jornais até a conversa com conhecidos. “Os veículos de comunicação podem ser um recurso de alto risco, pois quadrilhas de bandidos e pessoas mal intencionadas utilizam esses meios para ‘laçar’ suas vítimas”, alerta Angela.

Sabrina Baldjão, mãe do pequeno Renato de quatro meses, recebeu a indicação de uma profissional, mas mesmo assim continuou receosa. “A babá chegou logo depois que engravidei, assim poderia fazer alguns testes enquanto estava em casa”, diz. A decisão final foi pela profissionalização em um dos cursos do Unire.

Outro cuidado importante é na hora da entrevista. Agende horários em que possa conversar com calma e veja se a candidata sorri quando fala de crianças, se é carinhosa e avalie sua expressão. Cheque também o asseio corporal e a maneira de falar. “Um bom teste é saber o que a babá faria em situações extremas ou se contaria a verdade em caso de quebra de algum objeto da casa”, fala Simone.

No final das contas, o teste para a contratação vem através de um velho clichê. “É importante ter empatia com a pessoa, mas no final o que prevalece é a intuição de mãe”, finaliza Simone.

Dicas para contratar uma babá:

- Converse com a candidata sobre sua família, com quem mora, o que gosta de fazer nas folgas, se faz algum tipo de tratamento;
- Pesquise sua escolaridade;
- Pergunte como era sua rotina com as outras crianças que já cuidou, seus gostos, as atividades realizadas, brincadeiras etc;
- Para verificar referências, peça um número de telefone fixo. É mais fácil apresentar dados falsos por celulares;
- Se optar pela contratação, converse sobre a rotina da sua casa e o sistema adotado. Defina horários para as tarefas, além de relatar todo o trabalho da babá;
- Para gerar sintonia entre a mãe, criança e babá acompanhe o trabalho da profissional durante um período de adaptação. Deixando-a sozinha, o bebê pode ficar ansioso e angustiado por não ter a mãe por perto de uma hora para outra.

UNIRE Desenvolvimento Humano
Angela Clara – psicóloga e diretora-técnica
Tel: (11) 5575-6300

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Ser uma babá:

Pra você ser uma babá é necessária inúmeros requisitos e qualidades. Primeiro você precisa ter autocontrole, para que em uma situação agitada você não se irrite. Você precisa ter jogo de cintura e conhecer muito bem de diferentes gênios de crianças, para que você procure saber como lidar com cada um. As famílias que procuram uma babá para cuidar dos seus filhos buscam muitas informações sobre todas e a escolha é realizada minuciosamente, pois a preocupação de quem cuidará de seu filho é grande.

Nenhuma pessoa gostaria de deixar seu filho nas mãos de qualquer pessoa, sem saber das suas características e dos seus trabalhos anteriores. É importante que você comece com trabalhos pequenos, procure cuidar de filhos de famílias que já te conhecem, para que não seja difícil encontrar um primeiro serviço. Conforme for cuidando de diversas crianças, peça sempre cartas de recomendações, pois os futuros pais que contratarão seus serviços se sentirão mais seguros ao saber da opinião dos seus patrões anteriores. Fora isso, você precisa gostar muito de criança, ter muita paciência com elas e possuir muita criatividade, para poder entretê-las sempre e fazer com que gostem de você, pois as crianças hoje em dia estão cada vez mais espertas e inteligentes.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Creche ou babá?

História real
"Tive a opção e preferi ficar com meu filho em casa até ele completar um ano. Depois disso, procurei uma babá de confiança e ele se adaptou muito bem aos cuidados dela. Não o coloquei em creche por acreditar que em casa ele teria uma atenção exclusiva, mas tenho consciência de que, se não tivesse encontrado alguém com o perfil da babá que contratei, teria que deixá-lo em uma escolinha, mesmo com os riscos de doenças", lembra a historiadora Mariana Bonfanti, de 31 anos, mãe de Iran, de seis.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Câmara aprova revisão da aposentadoria e pensão sem limite de prazo:

Aprovada em turno suplementar de votação, a proposta determina, porém, que o recálculo só poderá retroagir até cinco anos antes da solicitação.

Foi aprovada na última quarta-feira (9) pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado proposta que assegura ao aposentado  ou pensionista o direito de solicitar o recálculo de seu benefício a qualquer momento, sem a restrição de prazo para o pedido, como acontece atualmente.

Aprovada em turno suplementar de votação, a proposta determina, porém, que o recálculo só poderá retroagir até cinco anos antes da solicitação.

Proposta:

A proposta teve origem nas modificações que o senador Casildo Maldaner (PMDB-SC) promoveu no PLS 482/03, apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS) há cerca de oito anos.

A intenção de Maldner, segundo seu relatório, é resgatar a ideia contida originalmente no caput do artigo 103 da Lei nº 8.213, de 1991. Segundo ele, o artigo já tinha sido alterado por outras leis e afirmava que não havia prazo decadencial para ações de revisão dos benefícios da Previdência Social, além de determinar que o limite de retroatividade seria de cinco anos.

Por ter sido aprovada pela CAS de forma terminativa, se não houver recurso para que seja votada pelo Plenário, a proposta poderá ser enviada diretamente à Câmara dos Deputados.

Fonte: InforMoney

Voltar ao Topo

 

 

 

 

DONA DE CASA PODE RECOLHER INSS PARA TER DIREITO A BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

Sergio Ferreira Pantaleão

Em setembro último entrou em vigor a Lei 12.470/2011 que possibilita à dona de casa, de baixa renda, contribuir com a Previdência Social e garantir os principais benefícios previdenciários como aposentadoria por idade, por invalidez, auxílio-doença, pensão por morte, salário maternidade e auxílio-reclusão, exceto a aposentadoria por tempo de contribuição. A aposentadoria por idade se dá aos 60 (se mulher) e aos 65 (se homem).

Por se dedicar exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito da própria residência e por não dispor de renda própria, a dona de casa é enquadrada na legislação previdenciária como segurado facultativo. Nada obsta que o dono de casa também se beneficie da nova alíquota para ter direito aos benefícios, já que a figura masculina que trabalha no ambiente familiar já é algo comum hodiernamente.

O percentual de contribuição que antes era de 11% foi reduzido para 5% sobre o salário mínimo, possibilitando que os benefícios acima citados sejam garantidos à segurada que contribuir com um valor mensal de R$ 27,25.

Considerando o salário mínimo atual, a dona de casa irá contribuir anualmente com o valor de R$ 327,00 e quando estiver incapacitada para o trabalho ou em período de gestação, por exemplo, lhe será garantido o benefício mensal equivalente ao salário mínimo, hoje de R$ 545,00.

De acordo com a referida lei somente as famílias com renda até 2 salários mínimos (R$ 1.090,00) é que poderão contribuir com o percentual reduzido e ter direito aos respectivos benefícios, desde que estejam inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico). Para fazer a inscrição no CadÚnico procure a prefeitura de sua cidade.

Para quem possui esta renda mensal e já contribuía no valor de R$ 59,95 (11%) poderá passar a contribuir no novo percentual, tendo uma economia mensal de R$ 32,70 (R$ 59,95 - R$ 27,25) e manter o direito aos benefícios.

Mesmo a dona de casa (ou dono de casa) que não é de família de baixa renda, ou seja, que está fora da faixa da renda mensal familiar (R$ 1.090,00), também poderá contribuir para a Previdência Social como segurada facultativa. Neste caso o valor da contribuição é de, no mínimo, 11% sobre o salário mínimo, tendo direito aos mesmos benefícios já citados anteriormente.

Como a contribuição é sempre sobre o salário mínimo, quando do recebimento do benefício o valor também está limitado ao mínimo. O segurado (de baixa renda ou não) só terá direito a receber acima do mínimo, quando optar por recolher 20% de INSS sobre uma base de cálculo que couber em seu orçamento, ou seja, se recolher mensalmente 20% sobre um valor de R$ 1.000,00 (R$ 200,00), quando se aposentar, por exemplo, seu rendimento será equivalente a base de contribuição (R$ 1.000,00) e não o salário mínimo.

Para quem ainda não era contribuinte, poderá fazer a inscrição pelo telefone 135 ou pelo site da Previdência Social clicando aqui. O número do PIS será automaticamente gerado após o cadastro junto a Previdência. Para o cadastro na internet tenha em mãos os seguintes dados:

·         Nome completo;

·         Nome da mãe completo;

·         Data de nascimento;

·         CPF;

·         CTPS (se tiver);

·         Carteira de Identidade (RG);

·         Título de Eleitor;

·         Certidão de Nascimento (informando o livro, folha e termo).

A previdência social publicou os novos códigos de recolhimento para os contribuintes de baixa renda, os quais poderão optar pelo recolhimento mensal ou trimestral, conforme códigos abaixo:

Código de

Pagamento

Percentual de Pagamento

Descrição

1929

5%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Mensal

1937

5%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Trimestral

1945

15%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Mensal - Complemento

1953

15%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Trimestral - Complemento

1830

6%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Mensal - Complemento para plano simplificado da Previdência Social – PSPS

1848

6%

Facultativo Baixa Renda - Recolhimento Trimestral - Complemento para plano simplificado da Previdência Social – PSPS

A dona de casa poderá emitir a Guia da Previdência Social - GPS para pagamento se utilizando de um dos códigos acima (optando por recolher mensalmente ou trimestralmente). Realizado o cadastramento pelo 135 ou pelo site da Previdência Social, clique aqui para emitir a GPS.

Após a emissão da GPS o pagamento poderá ser feito acessando sua conta bancária pela internet (caso seu banco disponibilize esta forma de pagamento) ou se dirigindo a uma agência bancária mais próxima de sua residência. O valor mínimo da GPS que era de R$ 29,00 passou para R$ 10,00 em função da redução do percentual de contribuição.

Esta redução exigiu também uma adaptação por parte dos bancos, os quais incluíram os novos códigos de recolhimento bem como se adequaram ao novo valor mínimo de recebimento.

O prazo para recolhimento da contribuição por parte do segurado facultativo é até o dia 15 de cada mês, ou seja, o valor de INSS a recolher da competência outubro/2011 é até o dia 15 de novembro/2011, conforme estabelece o art. 30, alínea c, inciso II da Lei 8.212/91. Como dia 15 de novembro é feriado, o recolhimento poderá ser feito até o dia 16.

Com a nova possibilidade de contribuição a dona de casa que sofrer um acidente, por exemplo, e não puder fazer as tarefas domésticas, terá direito a receber mensalmente o valor de um salário mínimo, até que seja constatada a sua recuperação.

Será garantido da mesma forma a aposentadoria por invalidez em caso doença grave que a incapacite definitivamente para as atividades diárias, bem como será assegurado aos dependentes, a pensão por morte em caso de falecimento da segurada.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Dicas de como escolher uma babá:

Certifique-se de que ela gosta mesmo de criança. Inicie o assunto e observe se ela fala com entusiasmo e cita nomes.
Ligue para os antigos empregos afim de investigar as referências profissionais.
Leve em consideração o comportamento dela com a família: crianças que apanham tendem a reproduzir o comportamento dos pais quando adultos.
Na entrevista, crie situações hipotéticas e tente descobrir o comportamento dela. Pergunte o que ela faria caso a criança começasse a chorar sem parar.
Mesmo tomando esses cuidados fique atento e observe diariamente.

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Diarista:

Contrato de Prestação de Serviços de Diarista

 

Pelo presente instrumento particular, a Srª. XXXXXXXXXXXX, brasileira, casada, advogada, residente e domiciliada à Rua XXXXXXXXXXX, nº XXX, Maringá-PR, portadora do CPF nº XXX.XXX.XXX-XX e da Cédula de Identidade RG nº XXXXXX/PR, doravante  denominado(a) a seguir Contratante, e a Srª. XXXXXXXXXX, brasileira, solteira, portador(a) do CPF nº XXX.XXX.XXX-XX, Cédula de Identidade RG nº XXXXXX/PR e Carteira Profissional nº XX.XXX – Série 00000, doravante designado(a) Contratado(a), celebram o presente Contrato de Prestação de Serviços – BABY-SITTER, e regido pelas cláusulas abaixo transcritas e demais disposições legais vigentes:

 

1ª –  O(a) Contratado(a) prestará à Contratante serviços de Baby-Sitter uma vez por semana (podendo ser dois dias na semana, uma noite, um final de semana), cuidando dos filhos do(a) Contratante, e tudo que se refere a criança, desde a alimentação, higienização dos brinquedos, quarto da criança, lavar e passar a roupa, lavar e guardar louças, brincar, etc, e demais atribuições a serem combinadas entre as partes contratantes, porém fica excluído outros trabalhos domésticos que não estes relacionados as crianças;

 

2ª - O local desta prestação de serviços será na residência do(a) Contratante (como também pode ser na residência do(a) Contratado(a)), situado na Rua das XXXXXXX, nº XXX, Maringá-PR;

 

3ª - O(A) Contratado perceberá os seus honorários profissionais no valor de R$ 150,00 (cento e cinqüenta reais), no final da prestação dos serviços; (este valor fica a critério das partes)

 

4ª - É de responsabilidade do(a) Contratado(o) o recolhimento da contribuição previdenciária como segurado autônomo (código 1007);

 

5ª – A despesa com o transporte para prestação destes serviços é de responsabilidade do(a) Contratado(a);

 

6ª – O prazo deste contrato é por tempo indeterminado, e poderá ser rescindido por qualquer uma das partes, sem qualquer direito a indenização, em qualquer momento, sem que haja qualquer tipo de motivo relevante, não obstante a outra parte deverá ser avisada previamente por escrito, no prazo de 07 (sete) dias;

 

7ª -  Fica compactuado entre as partes a total inexistência de vínculo trabalhista entre as partes contratantes nos termos da Lei nº 5.859/72, excluindo as obrigações previdenciárias e os encargos sociais, não havendo entre CONTRATADO(A) e CONTRATANTE qualquer tipo de relação de subordinação;

 

8ª . Salvo com a expressa autorização do(a) CONTRATANTE, não pode o(a) CONTRATADO(A) transferir ou subcontratar os serviços previstos neste instrumento, sob o risco de ocorrer à rescisão imediata;

 

9ª - Para dirimir quaisquer controvérsias oriundas do presente contrato, as partes elegem o foro da comarca de Maringá/PR.

   

Por estarem assim justos e contratados, firmam o presente instrumento, em duas vias de igual teor, juntamente com 2(duas) testemunhas.

            

Maringá, XX de XXXXXXXX de 20XX.

 

_________________________

Contratante

 

_________________________

Contratada

 

TESTEMUNHAS:

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Empregada Doméstica x Diarista, por
ELIANE RIBEIRO GAGO e DIOGO HENRIQUE DUARTE PARRA:
 
Você certamente já chegou em casa, após um cansativo dia de trabalho e, ao deparar-se com copos, pratos (sujos já há alguns dias), concluiu que era a hora de “chamar uma empregada”.
Mas algo tão simples (quem não conhece uma Dona Fulana), pode trazer alguns problemas legais. Em primeiro lugar, há uma importante diferença entre uma diarista e uma empregada doméstica propriamente dita, bem como sobre o correto procedimento a ser adotado para se evitar riscos de ajuizamento de Reclamações Trabalhistas.
Por isso, antes de qualquer coisa, vale a pena ter em mente a definição jurídica de empregado doméstico, que é aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no  âmbito residencial destas, ou seja, o empregado subordinado que comparece diariamente e tem horário rígido a cumprir.
Tal conceituação está prevista na Lei 5.859/1972 e no artigo 7º, parágrafo único da Constituição Federal, que prevêem também o direito a férias de 30 dias com pagamento de 1/3, 13º salário, aviso prévio, repouso semanal remunerado, estabilidade da confirmação da gravidez até 5 meses após o parto.  Vale destacar que o recolhimento para o FGTS continua a ser facultativo.
No caso de contrato de experiência, não obstante não haja previsão na legislação citada, mas que é usualmente praticado, haverá, assim mesmo, a obrigação de anotação na Carteira de Trabalho, bem como da realização dos recolhimentos previdenciários.     
Por outro lado, a diarista é contratada para trabalhar alguns dias da semana, mediante o recebimento do valor por ela estipulado, sem subordinação. Para quem quer, por exemplo, apenas dar um trato de vez em quando no apartamento, esta é a melhor opção, já que, se tomados alguns cuidados, não surge vínculo empregatício que obrigue aquele que contrata a arcar com os encargos sociais.
Por isso, o problema é saber quando a rotina de trabalho poderá caraterizar a diarista como doméstica e quais as implicações no caso de ajuizamento de uma ação trabalhista, haja vista a inexistência de legislação específica.
O entendimento da Justiça do Trabalho não é uniforme com relação ao tema, mas tem-se observado que os Juízes do Trabalho consideram empregada doméstica as diaristas que prestam serviços mais de 2 dias na semana, sem liberdade de trabalhar em outras residências e escolha de dia e horário. Assim, se você contratar uma diarista, siga os seguintes passos: deixe que ela escolha os  dias e horários de trabalho (é até recomendável que se alternem os horários de trabalho, sempre que for possível)  e não a obrigue a avisar, caso pretenda faltar, e muito menos dê qualquer advertência! Isso é coisa de chefe e sendo chefe fica caracterizado o vínculo de emprego. Claro que isso não é nada agradável, mas é a melhor maneira de evitar futuras dores de cabeça.
Além disso, é bom evitar o pagamento de 13º salário e férias, pois são verbas devidas apenas quando há contrato de trabalho, como é o caso das empregadas domésticas e que, portanto, pode servir como indício do vínculo de trabalho.
Para aqueles que têm empresas, mais uma dica: evite a contratação de serviços de diarista, pois nesse caso são grandes as chances de se considerar a existência de vínculo de emprego, o que também significará a necessidade de cumprimento de todas as determinações legais previstas na CLT e não na legislação da doméstica.
Por isso, atenção: seguidas as sugestões dadas, você aumentará as chances de defesa em eventual Reclamação Trabalhista ajuizada pela diarista pleiteando o vínculo de doméstica.
E para comprovar os pagamentos realizados à diarista, basta fazer um recibo simples, como o do modelo abaixo:


RECIBO


Declaro que RECEBI de _________o valor de R$ ____________ relativo a

prestação de serviço como diarista nos dias ___, ____, _____, em sua

residência.

    Maringá,
    
                      ________________________
                       assinatura da diarista

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Porteiro - Dicas de postura e comportamento do Porteiro eficiente:
 
Caro profissional,
Para a elaboração de um bom trabalho algumas informações devem estar no seu dia-a-dia. Abaixo estão 11 dicas e lembretes que vão lhe ajudar a melhorar seu trabalho e manter sua qualidade.
  1. Cumprimente sempre seus colegas de trabalho e moradores do condomínio.

  2. Uma boa aparência contribui para um ambiente de trabalho harmônico, por isso, esteja sempre bem vestido e limpo.

  3. As regras de segurança devem ser cumpridas de maneira rígida. Desobedecê-las pode colocar a vida dos moradores e funcionários em risco.

  4. Qualquer abordagem deve ser feita com delicadeza e educação.

  5. Não abra exceções quanto à entrada no condomínio e sempre identifique as entradas e saídas de visitantes.

  6. Fique atento ás movimentações externas, principalmente quando um funcionário do condomínio faz serviços externos.

  7. Não comente sobre a rotina do condomínio nem mesmo com conhecidos. A discrição é também um item de segurança.

  8. Sempre que cometer um erro, não tenha medo de comunicá-lo e discutir o que levou a ele com seu gestor.

  9. Pessoas estranhas e que não são funcionárias não podem ter acesso à guarita da portaria.

  10. Identifique sempre um visitante com um crachá, se possível, além de anotar todos os seus dados. Parte da segurança está em proporcionar essa sensação aos moradores.

  11. Os portões de segurança não devem ser ignorados. Use-os de acordo com as regras de segurança estabelecidas.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Dicas de uma cuidadora de idosos com Alzheimer:
 
Nota do Editor: O que vocês irão ler agora são anos de experiências e de dedicação à mãe idosa com Alzheimer. Denise muito obrigado por compartilhar suas experiências.
 
  • Já na fase mais avançada da doença, em que o paciente está totalmente dependente, ele não vai lembrar de beber água. Ofereça a ele durante todo a dia pequenas porções de água alternando com suco.

  • Se o idoso com Alzheimer estiver vendo televisão e achar que as pessoas da TV estão dentro da casa, explique com calma que não é assim, se ele insistir, desligue a mesma.

  • Delírio: “Cadê aquela criança que estava aqui?”, sendo que não havia nenhuma criança, você dirá que ela foi embora.

  • Para evitar que ele gripe com freqüência, ofereça a ele suco de acerola com abacaxi, rigorosamente todos os dias, alternando as vezes com outro sabor, mas tem que ser as duas frutas, isto se ele não tiver problemas de gastrite.

  • Se o paciente for agressivo, evite levá-lo a lugares movimentados. Ele pode agredir alguém e esta pessoa agredida não vai saber que o mesmo tem Alzheimer.

  • Se possível leve-o a uma praça, faça uma caminhada em um horário que não tenha muita gente no local.

  • Não deixem de levá-lo ao médico e principalmente ao dentista, não é por estar doente que ele não vai ter acesso ao dentista.

  • Se você tem o hábito de encerar a casa e tiver tapetes, é hora de retirar os tapetes e não encerar mais o lar para evitar tombos.

  • Se o idoso cair ao chão, cuidado ao levantá-lo, certifique-se que não houve nenhuma fratura.

  • No banheiro, coloque barra de apoio no box e perto do vaso sanitário, isso é o melhor para evitar acidentes.

  • Nunca deixem o idoso sozinho, esteja sempre com ele, um descuido seu pode ser perigoso.

  • Se vocês sabem, por exemplo, que ele sempre gostou de empada, leve para ele. O idoso com Alzheimer pode não se lembrar, mas você sim.

  • Conversem sempre com ele, conte se o dia está chuvoso ou ensolarado, mesmo se ele não te responde, poderá estar prestando atenção ao que você diz.

  • Não ofereçam a ele comidas que não gostava, anteriormente. Você não gostaria que fizesse isso com você.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Cuidador de Idosos - Algumas dicas:

· Em casos de maus-tratos, denuncie no Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa ou no Ministério Público, nas delegacias policiais, no IML ou nas delegacias especializadas da mulher e Centros de Referência da Mulher.

· Em casos de engasgo, tentar primeiro retirar com o dedo o pedaço de alimento. Caso não consiga, coloque a pessoa em pé, abrace-a pelas costas e aperte com seus braços a boca do estômago da pessoa.

· Em caso de queda e suspeita de fratura, procure não movimentar a pessoa cuidada e chame o serviço de emergência (Samu/192), o mais rápido possível.

· Mantenha os medicamentos sempre na caixa original para facilitar o controle de validade e a ingestão. Evite planejar medicamentos no horário que a pessoa dorme, pois isso prejudica a qualidade do sono.

· Evite oferecer café após 18h e dar líquidos à noite, para evitar que o indivíduo urine durante o sono.

· Para auxiliar o intestino a funcionar:, deite a pessoa de barriga para cima, segure as pernas, estique-as e dobre-as sobre a barriga; essa pressão ajuda a eliminar os gazes.

· Para o piso da casa, deve-se dar preferância ao antiderrapante e não este não deve ser encerado. Retire tapetes, capachos, tacos e fios soltos.

· O sapato deve ter solado de borracha. Dê preferência a roupas fechadas com velcro, elástico ou aberta na frente.
· Adote barras de apoio na parede do chuveiro e ao lado do vaso.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Guia de boas maneiras para babás:

Além do dia-a-dia em casa, a babá vai acompanhar a criança e, de quebra, a família em diversas ocasiões – de festas infantis a casamentos. Daí, para evitar gafes e mal-entendidos de toda sorte, é aconselhável orientar como essa profissional deve se portar nos ambientes familiares e nos eventos sociais. Para ajudar você a tirar de letra a tarefa, a consultora de moda e etiqueta Glória Kalil, autora de livros como Chic, um Guia Básico de Moda e Estilo (ed. Senac), dá as seguintes recomendações:

• Uniforme – Uma alternativa funcional é a babá vestir sempre roupa branca no trabalho. “É provável que ela própria prefira essa opção porque mantém um status à parte dos outros funcionários da casa”, explica Glória.
• Casamentos e festas – Para essas ocasiões, a consultora indica um vestido preto básico. “Em celebrações, não há ninguém de uniforme. Um pretinho básico é simples, moderno e discreto”, orienta.
• Praia – Se a a babá vai para o litoral com a criança, deve ir de roupa de banho, afinal, talvez seja necessário entrar na água com o pequeno. O mesmo vale para piscinas de clubes e prédios. “O ideal é ela usar um maiô, com bermuda e camiseta brancas por cima”, ensina Glória.
• Festinhas de aniversário – Como haverá outras babás no evento, ela deve ir de branco, uniformizada. Quanto ao serviço, nada de oferecer comida diferente: as babás devem comer o que estiver sendo servido aos outros convidados.
• Restaurantes – “É uma situação mais delicada porque, quando todos estão ao redor da mesa, há uma relação íntima”, diz Glória Kalil. “Mas a mãe ou o pai não têm intimidade com a babá, muito menos seus amigos”, continua a consultora. Se houver outros meninos e meninas, o mais recomendado é que a profissional se sente com eles em uma mesa separada. Caso estejam somente a babá e a criança, ela deve se sentar com os patrões e também pedir um prato. Mas é para lá de aconselhável orientá-la com antecedência e delicadeza para esse tipo de ocasião. “Não dá para a babá pedir uma cerveja, por exemplo”, finaliza Glória.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Dicas para as babás se acostumarem com os bebês:

Babá ou escolinha? Mães que não podem contar com a ajuda das vovós sempre se deparam com essa dúvida quando retornam ao mercado de trabalho. Quem opta por deixar alguém em casa cuidando dos bebês tem uma série de medos e angústias.

Publicidade

Antes de escolher a candidata, a psicóloga Margaret Pires, aconselha algumas medidas, entre elas, "tomar cuidado em contratar babás por indicação, verificar a documentação da candidata, suas referências, atestado de antecedentes e realizar uma entrevista".

Feito isso, Jorge Huberman, neonatologista e pediatra do Hospital Albert Einstein, explica que logo no primeiro encontro, babá e a criança devem se conhecer gradualmente. De início segure o bebê no colo enquanto conversa com a babá. “Procure perceber se o bebê se sente à vontade na presença dela, mas não deixe que durante esta etapa a babá tente brincar com ele”, indica. Até esperar que ele olhe para ela ou então comece a brincar sozinha sem mostrar preocupação.

Conforme o pediatra, o ideal é que no início o bebê fique algumas horas com a mãe e a profissional, ou pelo menos duas horas antes de sair de casa. “Deixe que a babá converse com o bebê enquanto ele ainda estiver no seu colo. Não permita ainda que ela se aproxime dele ou tente tocá-lo. Se o bebê demonstrar que está se sentindo à vontade durante a sua conversa com a babá, coloque-o no chão e dê a ele o brinquedo favorito, ainda afastado da babá. Convide-a então para lentamente se aproximar e começar a brincar com o mesmo brinquedo. Se você notar que o bebê está gostando da presença dela, pode começar a se afastar gradualmente”.

Veja os próximos passos que Jorge Huberman indica:

- Observe o que acontece se você sair da sala. Se o bebê não notar que você se retirou é porque a apresentação ocorreu conforme o desejado.

- Mesmo que o bebê comece a chorar, quando você sair, é provável que ele acabe se distraindo em poucos minutos. Telefone da rua e certifique-se de que ele está bem.

- Lembre-se: para que o bebê se acostume com a babá é necessário dar um tempo para que ele se habitue à profissional, possa reagir a ela e criar algum laço enquanto você ainda está no mesmo ambiente.

O mais importante é observar se a babá gosta de preparar os alimentos do bebê e tem prazer em acompanhar o seu ritmo. Ela deve ser criativa e divertida, ou seja, brinca como bebê, conversa com ele de forma amorosa, tem paciência e não fica desesperada quando a criança chora pela mãe. E claro, use também a famosa intuição de mãe.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Precisando contratar uma babá?

Com a correria do dia-a-dia é muito difícil administrar o tempo para conseguir ser mãe e ainda trabalhar fora. Por isso, muitas mulheres se vêem obrigadas a contratar uma pessoa para cuidar do seu filho.

O que não é tarefa fácil.

“Lá na cidade que eu trabalhei não se assina a carteira. Meus patrões mudaram de país. Fui assaltada e levaram minha carteira antiga, onde estavam as referências. Mas, foi assaltada e não fez Boletim de Ocorrência?”

Essas são algumas das desculpas mais usadas pelas profissionais para conseguir um emprego sem ter que apresentar nenhuma referência. Por isso, fique muito atenta na hora da seleção. De acordo com um levantamento feito pela Rede Kanguruh, empresa especializada em contratação de babás, das 6 mil fichas de contratação, 28% mentiram sobre suas referências e 15% possuíam fichas com antecedentes criminais.

Antes da contratação, a checagem dos antecedentes criminais em âmbito nacional e uma boa entrevista são essenciais. Prolongue a conversa o máximo que puder, e tente repetir as perguntas mais pertinentes em momentos distintos para ver se ela cairá em contradição. Afinal, elas estarão cuidando do seu bem mais precioso.

Veja aqui algumas dicas importantes na hora de contratar a babá do seu filho.

  • Verifique com muito cuidado as referências dadas pelas profissionais. Busque o máximo de informações sobre os ex-empregadores, não aceite apenas um número de telefone. Procure saber o endereço dessas pessoas e se possível, vá pessoalmente ao local conferir se todas as informações passada são reais.

  • Desconfie de números de celulares para checar as referências. Esses aparelhos podem estar na mão de algum parente, amigo, vizinho ou irmã da futura babá e você não saberá se aquela informação é confiável ou não.

  • Faça a verificação dos antecedentes criminais em esfera nacional. Pois é possível ter um passado criminal em uma cidade ou estado e arrumar emprego em outra. Faça essa averiguação de tempos em tempos.

  • Preste atenção nos sinais que o seu filho dá. Avalie constantemente a babá e sua postura perante a criança.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

O que fazer antes de contratar uma diarista:

Durante a semana, é comum chegar do trabalho estressado (a) e previamente cansado (a), antes mesmo de executar qualquer tarefa ou providenciar o lanchinho noturno.

Hoje uma das maiores preocupações é encontrar a sua alma-gêmea da limpeza, uma mulher que dê conta do recado, não falte nunca no trabalho e deixe tudo arrumado para que você possa levar tranqüilamente a manutenção da limpeza e da organização.
Somente pode ser considerado trabalhador autônomo a diarista que escolhe os dias da semana em que pretende trabalhar, mudando-os constantemente, de modo a encaixar o horário das residências onde trabalhe, mas sempre sob sua orientação e determinação própria. ''Impor horário e dias de trabalho ao diarista e requisitar seus serviços de forma ininterrupta podem configurar vínculo empregatício''.
O que deve ser levado em consideração na contratação de uma diarista: Em primeiro lugar, procure referências da diarista. Faça uma entrevista com a candidata e recolha todos os dados possíveis, como se fosse uma empregada mensalista. O que mais importa são sua segurança e a do seu lar. Descreva na entrevista os serviços que são da responsabilidade da faxineira e qual o horário que deve ser cumprido, para que não haja mal entendidos posteriores. Verifique se tem simpatia com a pessoa. Isso sempre funciona.
É comum, comunicar-se com a diarista por bilhetes ou listas de afazeres: Essa é a melhor forma de comunicação. Mas a qualidade do trabalho pode deixar a desejar. Verifique se sua lista é viável. Se houver coisas demais a fazer, o serviço começa a ficar matado. Relacione o que ficou a seu contento e o que foi mal feito. Exponha claramente a situação e peça a opinião da diarista, para que a situação não se repita. Ouça o que ela tem a dizer - talvez estas justificativas já tragam a solução do problema.
A diarista deve assinar um recibo: Deve-se fornecer recibo de pagamento sempre ao final do serviço. Esta pode ser a prova de que não há vínculo empregatício entre o usuário e a diarista numa decisão judicial. O recibo é a sua garantia de que cumpriu o acordado.
Como saber se está pagando muito caro: Pesquise em volta, no seu prédio, no seu condomínio, nos anúncios do jornal que procuram mão-de-obra, na sua vizinhança. Os preços variam de região para região. É claro que a função também tem que ser levada em conta.
Deve-se se preocupar com alimentação, transporte: Você não tem obrigação de fornecer vale-transporte e alimentação. Por isso, o pagamento da diária é superior a um dia de trabalho do empregado doméstico. Dependendo do horário de trabalho, haverá ou não necessidade de providenciar alimentação, mas se for meio expediente, disponibilize pelo menos um lanche para que a pessoa tenha um mínimo de conforto. Afinal, se ela tiver que sair para fazer uma boquinha, ou se ficar fraca de fome, quem perde é você.
Os afazeres de uma diarista: Ela pode limpar armários, passar roupa, fazer compras, receber entregas, fazer comida, olhar as crianças. Se os serviços da contratada não se restringirem à faxina, basta que a titulação seja mais abrangente. Escolha por exemplo “Serviços Gerais/Faxina”. O importante é que o ela saiba, no momento da contratação, quais as tarefas que lhe serão atribuídas para que não haja mal entendidos. De qualquer modo, também é vital levar em conta que não se consegue fazer tudo no mesmo tempo, portanto, exija tarefas indispensáveis.
Como saber se a diarista está consumindo muito os produtos de limpeza: É provável que você não consiga observá-la todo tempo, e ela também quer e precisa ter sua privacidade na hora de limpar sua casa. Separe aquilo que você julga necessário e peça sugestões de quais produtos ela precisa. Isso a deixará responsável pelo uso do material, zelo e a economia pelo mesmo, na hora do uso.
Quanto vale contratar uma diarista: Na maioria das vezes, o preço de uma contratada é superior ao de uma diarista. Convém lembrar que a diarista que trabalha exclusivamente num só emprego é considerada, legalmente, com todos os direitos trabalhistas de uma mensalista, sujeitando seu empregador a obrigações idênticas. Ocorre que muita gente prefere preservar a privacidade quando está em casa.

 
 
 
 
 
 
 
 

A missão de uma empregada doméstica:

A missão de uma empregada doméstica é resolver os problemas cotidianos da casa na qual trabalha, permitindo assim que seus  moradores tenham mais tempo para seus afazeres pessoais.

 

Ela tem que saber que o objetivo de seu trabalho é fazer com que os ambientes estejam limpos, as roupas prontas para serem usadas e as refeições preparadas para que os moradores cheguem em casa e possam descansar de sua jornada de trabalho.

 

Mas, para desempenhar suas funções adequadamente, a funcionária precisa saber também a importância de seu trabalho para se sentir valorizada. Ela tem que ter motivos para trabalhar, para querer executar as tarefas da maneira que a patroa necessita e se dedicar àquilo que faz.

 

Motivar é dar motivos. Em um ambiente de trabalho podemos criar um clima favorável para que o funcionário se automotive. Veja a seguir alguns hábitos que você pode somar ao seu modo de se relacionar com seus empregados domésticos para fazer a diferença no desempenho deles:

Voltar ao Topo

 

 

 

 

7 dicas para motivar sua empregada doméstica:

Ensine com amor

Quando você for informar sua empregada sobre as atividades que ela deve fazer, demonstre que este contato é prazeroso para você. Deixe que ela perceba que você está disponível para ajudá-la em suas possíveis dificuldades, assim vai se esforçar para aprender mais rapidamente sua função e não ficará com medo de errar e ser repreendida.

 

Deixe que ela participe do processo

As contribuições da funcionária são fundamentais para que novos conceitos sejam apreendidos. Tenha em mente que vocês vão trabalhar juntos no projeto de manter a casa organizada.

 

Dê autonomia a ela

Uma pessoa se sente motivada se puder exercer sua criatividade, tomar decisões e até mesmo errar. Ainda que limitada, você deve dar alguma autonomia para sua empregada doméstica.

 

Deixe que ela tome iniciativas

Só tomando iniciativas a empregada agregará valor à sua função de auxiliar doméstica, ajudando você a pensar o dia a dia da casa. A iniciativa é uma decorrência direta da autonomia.

 

Não se esqueça de que sua empregada tem vida pessoal

Não é necessário se tornar íntima da empregada, mas ela tem que saber que pode contar com você para vencer suas dificuldades pessoais. Invista nas relações interpessoais, dê o melhor de si.

 

Comunicação é fundamental

Algumas palavras antes de sair de casa e uma pequena supervisão no serviço da ajudante quando voltar do trabalho são fundamentais. Alguns elogios ou alguma explicação extra para que as tarefas fiquem mais bem feitas são decisivos para que a empregada se motive.

 

Lembre-se de que todos precisam de reconhecimento

Fale palavras de elogio na frente de outro funcionário ou das pessoas que moram na casa. Sua auxiliar se sentirá orgulhosa por seu trabalho ter sido reconhecido como bom.

Finalizando, se ela tiver consciência da importância e de como todos na casa aprovam seu trabalho, a empregada doméstica vai se sentir pertencente à rotina da família e fará o possível para agradar a todos. O bom relacionamento, normalmente, é construído com o tempo, paciência e compreensão.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Vale-Transporte:

O que é:
O vale-transporte é um benefício em que o empregador antecipa o valor gasto com transporte para que o trabalhador se desloque de sua residência para o local de trabalho e vice-versa.

Quem tem direito:
Todos trabalhadores, inclusive os domésticos, têm direito ao vale-transporte.

Como funciona:
O custo do vale transporte e dividido entre o trabalhador e o empregador. Do trabalhador será descontado 6% de seu salário e do que o trabalhador gasta com transporte será pago pelo empregador. Por exemplo, um trabalhador recebe um salário de R$ 400 por mês e necessita de ônibus 4 vezes por dia. Suponhamos que cada passagem custe R$ 1 e que ele trabalhe 25 dias durante o mês.

Fazendo as contas vemos que este trabalhador gastaria com transporte, por dia, R$ 4 (4 ônibus por dia X R$ 1) e, por mês, gastaria R$ 100 (25 dias trabalhados X R$ 4 por dia). Se este trabalhador solicitar vale transporte, ele passará a gastar com transporte apenas 6% do seu salário, no caso R$ 24 (salário do trabalhador x 6/100, neste exemplo isso seria: R$ 400 x 6/100). A diferença para completar os R$ 100 gastos por este trabalhador será pago pelo empregador.

Como solicitar o vale transporte:
Para ter direito ao vale transporte o trabalhador deve informar, por escrito, ao empregador seu endereço residencial e os meios de transporte que utiliza para se deslocar de sua residência para o trabalho.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Empregado Doméstico:

O que é:
Empregado doméstico é o trabalhador que presta serviço de natureza contínua e de finalidade não lucrativa na residência de uma pessoa ou família em residências, sítios etc. Não é considerado trabalhador doméstico aqueles que prestam serviços a partir de uma empresa.

São considerados trabalhadores domésticos:
Trabalhadores admitidos por uma pessoa ou família para trabalhar em ambiente doméstico prestando serviços de: limpeza, cozinha, lavar e passar roupas, governanta, babá, caseiro, motorista particular, enfermeiro, jardineiro, chacareiro, dentre outros profissionais.

Pode ser admitida para o trabalho doméstico, toda pessoa maior de 14 anos, com capacidade para desenvolver as atividades para quais é contratada. Podem ser contratados aposentados ou estrangeiros que estejam em condição legal no país.

Documentos para admissão:
Para iniciar uma atividade como empregado doméstico, o trabalhador deve apresentar:

  • Carteira de Trabalho e Previdência Social;

  • Certidão Negativa do PIS: retirada nas agências da Caixa Econômica Federal e somente para os maiores de 16 anos;

  • Carnê de pagamento do INSS;

  • Comprovação de conduta e referências: esta exigência fica a critério do empregador. São cartas de referências de ex-empregadores e devem conter endereço e telefone para contato.

Contrato de trabalho: Informações que devem ser anotadas na página "Contrato de Trabalho" da Carteira de Trabalho:

  • Nome e CPF do empregador;

  • Endereço do empregador (local de trabalho do empregado);

  • Cargo (babá, cozinheira, jardineiro, empregada doméstica etc);

  • Data de admissão;

  • Salário mensal ajustado;

  • Assinatura do empregador.

Posteriormente deverão ser anotados o início e término das férias e seu período aquisitivo, alterações salariais e data de saída. Outras anotações necessárias devem constar da área "Anotações Gerais", dentro da Carteira de Trabalho.

Ao ser definido o contrato do trabalho, é normal que sejam anotados na Carteira de Trabalho todos os pontos pelos quais ele será regido, especialmente quais descontos serão feitos do salário do trabalhador.

Período de experiência:
O trabalhador doméstico, como qualquer outro trabalhador, pode ser contratado em caráter experimental, durante o qual suas aptidões poderão ser melhores avaliadas. Para isso, deve-se firmar um Contrato de Experiência, em duas vias, assinado tanto pelo empregador como pelo trabalhador e, uma das vias deste contrato deve ser entregue ao trabalhador.

Atenção: Período de experiência acertado a partir de acordo verbal não tem validade jurídica e não pode ser usado para reivindicar direitos trabalhistas.

Salário:
A Constituição Federal determina que o trabalhador doméstico tem o direito a receber, no mínimo, o mesmo valor fixado por lei para o salário mínimo.

O salário pode ser pago em períodos mensais, quinzenais, semanais ou mesmo por dia ou hora. Quando o salário for pago mensalmente, o pagamento deve ser feito até o 5º dia útil do mês e quando for pago em cheque, o empregador deve permitir que o trabalhador saia, durante o horário de trabalho e sem desconto em seu salário, para descontar o cheque no banco.

Além do pagamento em dinheiro, fazem também parte do salário do trabalhador: alimentação, habitação, vestuário ou outras prestações que o empregador, por força do contrato ou de costume, forneça habitualmente ao trabalhador. Nestes casos, o empregador pode considerar estes benefícios como parte do salário do trabalhador. Mas, para isso, deve discriminar o valor, em moeda corrente (R$), dos benefícios nos recibos de pagamento e eles não devem ultrapassar 70% do salário total do trabalhador. Os limites legais máximos para cada um destes benefícios são:

  • Alimentação: até 25% do salário. A refeição que o empregado faz na casa do patrão ou a moradia ali usada, durante o período de trabalho, na maioria dos casos, objetiva comodidade do empregador. Por isso, salvo acordo expresso entre as partes na CTPS, não devem ser descontados.

  • Moradia: até 20% do salário. Atenção: Nos em que morar no local de trabalho é condição determinante para a realização do trabalho, a moradia deve ser concedida de graça ao trabalhador e não pode ser incorporada como parte do salário.

  • Materiais para higiene pessoal: 7% do salário mínimo;

  • Vestuário: até 22% do salário. Atenção: uniforme e outros acessórios concedidos pelo empregador e usados no local de trabalho não podem ser descontados;

  • Transporte: até 6% do salário, limitado ao valor total do número de vales-transportes recebidos pelo trabalhador.

  • Descontos: Os principais descontos realizados no salário do trabalhador doméstico são: vale-transporte, quando for utilizado e a parte do empregado correspondente à Previdência Social (8,0% do salário mínimo, mas durante a vigência da CPMF, esse valor será de 7,82%).

Os descontos de INSS incidirão também sobre o pagamento do 13º salário e férias. Também podem ocorrer descontos por adiantamentos em dinheiro (vales) e faltas injustificadas ao serviço. Os descontos das faltas deverão estar discriminados no recibo de pagamento. Descontos por prejuízos materiais causados pelo trabalhador devem, de preferência, estar previstos no contrato de trabalho.

13º salário:
Deve ser paga em duas parcelas: a primeira, considerada como "adiantamento do 13º salário", deve ser feita entre fevereiro e novembro. O valor desta parcela será de metade do valor correspondente ao salário do mês anterior e será descontada do pagamento restante do 13º salário, a ser pago em dezembro. A segunda parcela deve ser paga até o dia 20 de dezembro e o valor desta parcela será a remuneração do mês de dezembro, dividido por doze e multiplicado pelo número de meses trabalhados durante o ano. Desse resultado, deve-se descontar o valor pago como "adiantamento do 13º salário".

Atenção: mais de quinze dias trabalhados em um mês é considerado como um mês inteiro de trabalho para o cálculo do 13º salário.

Jornada de Trabalho:
Não há previsão legal para a jornada de trabalho para os trabalhadores domésticos. A jornada de trabalho deve ser livremente negociada entre as partes.

Hora extra:
O trabalhador doméstico não tem direito a receber horas extras, pois a jornada de 8 horas diárias e 44 horas semanais não se aplica a esta profissão. A intenção da lei, ao retirar esse direito do trabalhador doméstico, foi, justamente, diferenciá-lo dos trabalhadores que prestam serviços às empresas. O trabalhador doméstico trabalha na residência de uma pessoa que normalmente é assalariada e não lucra diretamente com o trabalho prestado pelo trabalhador doméstico.

Recibos:
O empregador deve sempre solicitar ao trabalhador que assine os recibos que comprovam o pagamento dos valores recebidos como salário, férias etc. Os recibos são prova de que o trabalhador efetivamente recebeu o que lhe era devido pelo empregador e ambos, ao mesmo tempo, podem verificar se o pagamento está correto. Contudo, para que tenha valor jurídico, os recibos devem conter o valor total do salário e detalhar o que está sendo pago, assim como os respectivos descontos.

Repouso semanal remunerado:
Deve ser de 24 horas consecutivas, preferencialmente aos domingos. Contudo, pode ser acordado entre o trabalhador e o empregador a transferência do dia de folga para outro dia da semana. Se o empregado faltar sem justificativa ao serviço, continua tendo direito à folga semanal, mas, neste caso, além de ter descontado o dia faltado, perderá também o direito à remuneração pelo dia de folga.

Férias:
Devem ser de 20 dias úteis de descanso remunerados, podendo ser transformados pelo empregador em 30 dias corridos, de acordo com a CLT. O trabalhador passa a ter direito a férias após um ano de trabalho e o empregador tem 12 meses para concedê-las. Durante o período de férias o trabalhador deve receber um acréscimo de 1/3 no valor de seu salário e o pagamento deve ser feito até 2 dias antes do início das férias.

Quando forem concedidos 30 dias de férias, o trabalhador tem direito de "vender" até 10 dias de suas férias ao empregador. Neste caso, o empregador deve pagar, além do salário normal e do respectivo adicional, o Abono de Férias, sobre o qual também incidirá o adicional de 1/3.

Para ter direito ao abono de férias, o trabalhador deve manifestar, por escrito, sua intenção de vender até 1/3 de suas férias para convertê-las em dinheiro. Este informe deve ser feito em duas vias, entregue em até 15 dias antes do término do período de férias e assinado tanto pelo trabalhador como pelo empregador. Depois de assinada, uma das vias deve ser entregue ao empregador.

Cabe ao empregador decidir em que mês o trabalhador sairá de férias, mas, caso o trabalhador seja estudante e menor de 18 anos terá direito de coincidir as férias do serviço com as escolares. Além disso, membros de uma mesma família e que prestam serviços a um mesmo empregador têm direito a tirar férias no mesmo período.

Atenção: O trabalhador não pode ter mais de duas férias vencidas. Caso isso não aconteça, o trabalhador deve receber a primeira das férias vencidas como férias trabalhadas. Isto equivale ao dobro do valor que receberia se tivesse saído de férias.

Vale-transporte:
Deve ser concedido ao trabalhador doméstico quando ele utiliza meios de transporte para se deslocar de sua residência para o trabalho. Receber o vale-transporte é uma opção do trabalhador, feita através de uma declaração em que informa se deseja ou não receber este benefício. Caso não tenha interesse pelo benefício, deve declarar esta intenção, datando e assinando o documento. Do total de vales usados, o empregador poderá descontar, no máximo, 6% do salário bruto do trabalhador.

Gravidez:
A empregado doméstica não tem direito à estabilidade provisória, ou seja, ela pode ser demitida quando estiver grávida. Mas, neste caso, tem direito à licença de 120 dias quando o bebê nascer ou a indenização em dinheiro, se for demitida neste período.

Se a empregada doméstica for registrada, é o INSS quem paga a licença de 120 dias e não o patrão.

Lembrete: A gravidez deve ser sempre comprovada através de atestado médico, que a doméstica deve entregar imediatamente ao patrão mediante protocolo.

Licença à gestante:
É concedida às trabalhadoras que ganham filhos. No total são 120 dias, sendo 28, antes do parto, e 92 após o parto. Neste período, as trabalhadoras domésticas regularmente inscritas na Previdência Social têm direito ao salário maternidade.

Para as trabalhadoras domésticas, o salário maternidade é pago diretamente pela Previdência Social e o valor pago será sobre o último salário de contribuição.

As trabalhadoras domésticas inscritas na Previdência Social podem solicitar o salário maternidade independente do tempo de serviço possuam. A trabalhadora pode solicitar o salário maternidade 28 dias antes do parto até 90 dias depois do parto e o requerimento deve ser feito diretamente em qualquer Posto da Previdência Social. Para isso, a trabalhadora deve comparecer a um dos postos da Previdência levando os seguintes documentos:

  • Carteira de Trabalho;

  • Carnê do INSS quitado;

  • Número do CPF do empregador;

  • Atestado do período de gravidez.

O início do período da licença maternidade será determinado por atestado médico fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Auxílio-doença e aposentadoria por invalidez:
Têm direito a estes benefícios os trabalhadores domésticos que tenham contribuído, por pelo menos 12 meses consecutivos, e estejam em condição regular com o com o INSS. O requerimento e o pagamento destes benefícios são feitos diretamente pelo INSS.

Direitos dos empregados domésticos:
Os direitos assegurados pela Constituição Federal aos trabalhadores domésticos são:

  • Salário mínimo, fixado em lei;

  • Irredutibilidade do salário;

  • 13º salário com base na remuneração integral ou valor da aposentadoria;

  • Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos;

  • Férias anuais remuneradas com, pelo menos, 1/3 a mais do salário;

  • Licença-gestante de 120 dias;

  • Licença-paternidade de 5 dias;

  • Aviso prévio;

  • Aposentadoria;

  • Vale-transporte;

  • Direitos não assegurados aos empregados domésticos: não são assegurados aos trabalhadores domésticos aos seguintes direitos:

  • Jornada de trabalho diária de 8 horas ou 44 horas semanais;

  • Horas-extras;

  • Descanso em dias feriados;

  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);

  • Indenização por tempo de serviço;

  • Estabilidade no emprego, inclusive pós-parto;

  • Programa de Integração Social (PIS);

  • Salário-família;

  • Auxílio-acidente;

  • Seguro-desemprego;

  • Adicional de hora noturna, insalubridade ou de periculosidade.

Atenção: O trabalhador pode ter acesso ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) somente se o empregador concordar em efetuar os depósitos. Caso isso aconteça, o trabalhador passa também a ter direito ao Seguro-Desemprego.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Licença-maternidade:

O que é:
Licença-maternidade (ou licença-gestante) é benefício de caráter previdenciário, garantido pelo artigo 7º, XVII da Constituição, que consiste em conceder à mulher que deu à luz licença remunerada de 120 ou 180 dias, conforme a Lei 11.770/08, que, facultativamente, permite ampliação da licença.

Quem tem direito:
Toda mulher trabalhadora empregada, inclusive as empregadas domésticas.

Como funciona:
O salário da trabalhadora em licença é chamado de salário-maternidade, é pago pelo empregador e por ele descontado dos recolhimentos habituais devidos à Previdência Social. A trabalhadora pode sair de licença a partir do último mês de gestação.

A Constituição também garante que, do momento em que se confirma a gravidez até cinco meses após o parto, a mulher não pode ser demitida.

Período da licença:
120 ou 180 dias, contados a partir do primeiro dia da licença.

Berçário/Amamentação nas empresas:
As empresas que empregam pelo menos 30 (trinta) mulheres com mais de 16 (dezesseis) anos de idade deverão ter, a disposição de suas empregadas, um local apropriado no qual elas possam manter sob vigilância e assistência os seus filhos durante o período de amamentação. Este lugar deve ser adequadamente adaptado, composto por: um berçário (um leito para cada grupo de 30 empregadas), uma saleta de amamentação, uma cozinha para o preparo das mamadeiras, e banheiro.

Caso a empresa não possa instalar um berçário, deverá encontrar outro meio de colocá-lo à disposição de suas funcionárias:

  • adotando um sistema de convênio com uma creche;

  • adotando o sistema de reembolso-creche, no qual cobre as despesas efetuadas com o pagamento da creche de livre escolha da empregada-mãe.

De acordo com as leis trabalhistas, as mães de recém-nascidos têm direito a dois intervalos de meia hora, durante a jornada de trabalho, para amamentação até que a criança complete seis meses de idade (artigo 396 da CLT). O período de amamentação estipulado pela lei é de 6 meses, no entanto este prazo pode ser aumentado em benefício da criança, desde que haja recomendação médica.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

A empregada doméstica deve folgar sempre aos domingos:

À empregada doméstica - considerada aquela que presta serviços de natureza contínua e finalidade não lucrativa a pessoa ou a famíia no âmbito residêncial destas (art. 1, Lei n 5859/72) - é assegurado o repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos, conforme o art. 7º, parágrafo único, c.c inciso XV da Constituição Federal de 1988, não estando a citada trabalhadora sujeita a jornada de trabalho fixada por lei, a qual deverá ser acordada entre as partes.

Considerando que inexiste disciplinamento expresso quanto a forma de concessão do repouso semanal remunerado (RSR) aos empregados domésticos, o entendimento doutrinatário dominante é no sentido de que deverá ser aplicada por analogia a Lei nº 605/49, que o repouso recaia inclusive nos feriados civis e religiosos.

Assim, o RSR deverá ser concedido na medida do possível aos domingos. Entretanto, se houver acordo entre o empregador e empregado fixando o repouso nos outros dias da semana, entendemos que deverá ser organizada uma escala de folgas, de forma que periodicamente o repouso recaia num domingo, focando consequentemente esta periodicidade ao arbítrio das partes.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Prevenção de acidentes domésticos:

Os(as) trabalhadores(as) domésticos(as) também estão sujeitos a diversos tipos de acidentes, como: queimaduras, quedas, cortes e choques elétricos. Para a redução dos riscos, o(a) empregador(a) deve adotar uma série de medidas de proteção, tais como:

  • Exigir ritmo de trabalho compatível com a natureza da atividade e a capacidade do(a) trabalhador(a);

  • Fornecer material de trabalho adequado à tarefa a ser executada e em boas condições de uso;

  • Orientar permanentemente o(a) empregado(a) sobre a tarefa e seus riscos;

  • Manter instalações elétricas e de gás em boas condições de uso;

  • Proibir trabalho em altura com risco de queda.

  • Não exigir do trabalhador (a) doméstico o levantamento ou transporte manual de carga, cujo peso seja capaz de comprometer sua saúde ou sua segurança.

    O(a) empregador(a) é responsável pela adoção de medidas de proteção, como a redução do tempo de exposição, e deve disponibilizar equipamentos (calçados e luvas impermeáveis) para reduzir o contato do(a) trabalhador(a) com os agentes ambientais.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

O relacionamento com os empregados domésticos:

  • Quando necessário chamar a atenção, explique os motivos detalhadamente e oriente quanto ao que deve ser feito para o serviço ficar melhor.

  • Elogie seu profissional por uma iniciativa ou um serviço bem feito. Todos ficam felizes quando recebem um elogio e um reconhecimento.

  • Quando possível converse alguns minutos com seus empregados para conhecê-los melhor - saber de sua vida, sua família, suas dificuldades e anseios.

  • Trate os profissionais com respeito e amizade, mantendo a distância hierárquica.

  • Não sobrecarregue a Babá com afazeres da casa, se isso ocorrer a mesma vai deixar de cuidar bem da criança.

  • A melhor forma de manter os profissionais comprometidos e motivados, é fazer com que eles se sintam importantes e respeitados como profissionais e pessoas.

  • Quando necessário, invista no aperfeiçoamento do seu profissional, cursos e treinamentos são fundamentais.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Período de adaptação da doméstica:

Antes do início das atividades é essencial deixar claro o salário, o horário de entrada e saída, o horário das refeições, as folgas, os benefícios e todas as atribuições que farão parte das atividades no dia-a-dia, diga exatamente o que você espera de sua empregada doméstica.

O Trabalho doméstico é muito amplo, portanto é importante que antes de iniciar a trabalhar na residência, a empregada doméstica receba todas as informações e orientações para melhor desempenho de seu trabalho. Dê uma atenção especial no período de adaptação.
Deixe a profissional à vontade para pedir informações e tirar dúvidas.

  • Deixe o telefone de seu trabalho e celular em local de fácil acesso, para que a empregada possa entrar em contato em casos de emergências. Deixe também os telefones dos demais moradores da casa.

  • Oriente antes de sair de casa, ligue do serviço ou deixe sempre recados.

  • Determine um local para que ela anote todos os recados e telefonemas recebidos.

  • Faça uma lista dos afazeres diários, semanais, quinzenais e mensais, estipulando dias para realização das tarefas.

  • Oriente quanto a reposição de materiais, produtos diversos e lista de compras.

  • Oriente onde devem ficar as correspondências e as contas da casa. Deixe em uma caixa ou pasta em local de fácil visualização.

  • Estabeleça como fazer as regas e a adubação das plantas.

  • Oriente sobre o armazenamento do lixo, dias e horários de recolhimento do mesmo.

  • Quanto aos animais domésticos, estabeleça os horários e forma de alimentação e higienização.

  • Determine o dia da semana para trocar e lavar as toalhas de banho e roupa de cama.

  • Determine os prazos para limpeza de vidros de janelas, azulejos, armários, freezer, luminárias, lavagem dos ralos, portas, etc.

  • Identifique com caneta todas as roupas com a inicial do usuário, para facilitar na hora de guardá-las nos armários.

  • Quanto à alimentação, oriente quanto ao tempero de seu gosto e temperaturas recomendadas. Fale sobre os hábitos alimentares da família.

  • Para as Babás, determine a hora do banho da criança, os produtos utilizados, pomadas etc.

  • Deixar por escrito os procedimentos a serem tomados em caso de queda, acidentes domésticos ou outras emergências com a criança.

  • Quando a criança estiver tomando remédios deixar todas as orientações por escrito.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Contrato de experiência e direitos dos empregados domésticos:

Na Legislação do Empregado Doméstico, não está previsto a formulação de contrato de experiência. Entretanto, a maioria dos Juízes Trabalhistas reconhecem sua aplicação. Portanto, fica a critério do empregador celebrar um contrato de experiência por um prazo máximo de 90 dias, podendo o mesmo ser prorrogado por uma única vez dentro desse período. Não existe um prazo mínimo. O período de experiência deve ser contratado em documento assinado pelo empregador e pelo empregado, não é válido acordo verbal, devendo ser entregue ao empregado uma via do contrato. O empregado sendo dispensado no período de experiência, não será devido o pagamento do aviso prévio. As demais verbas, como 13º e Férias proporcionais, serão devidas.

Voltar ao Topo

 


AVISO IMPORTANTE: O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. A Diarista Maringá, não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, A Diarista Maringá se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.